MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO
MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO

Luiz Fernando Emediato renuncia ao cargo de presidente de comitê do FI-FGTS

Fundo usa parte dos recursos do FGTS dos trabalhadores para aplicar em projetos de infraestrutura; jornalista foi citado em delações de executivos da Odebrecht e da JBS, como revelou 'Estado'

Murilo Rodrigues Alves e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

28 Junho 2017 | 16h33

BRASÍLIA - O jornalista Luiz Fernando Emediato renunciou nesta quarta-feira ao cargo de presidente do comitê de investimento do FI-FGTS, fundo que usa parte dos recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) dos trabalhadores para aplicar em projetos de infraestrutura. Ligado à Força Sindical, Emediato havia sido eleito para o posto no fim de maio, mesmo depois de ter sido citado em delações de executivos da Odebrecht e da JBS, como revelou o Estadão/Broadcast.

Os delatores acusaram Emediato de ter recebido propina para liberar recursos do FI-FGTS para a Odebrecht Transport (braço de transportes da empreiteira) e para beneficiar o grupo J&F, controlador do frigorífico, no período em que trabalhou no Ministério do Trabalho. À época da eleição, a bancada governista tentou dissuadi-lo de assumir o posto no órgão responsável por decidir sobre os aportes do fundo, e dois dos cinco representantes presentes à reunião chegaram a se abster de votar por constrangimento.

O comitê de investimento do FI-FGTS tem representantes do governo, dos trabalhadores e dos empregadores. Por rodízio, a presidência - com mandato de um ano - dessa vez teria que ficar com um representante dos trabalhadores. Com a renúncia de Emediato, foi eleita para o posto Suzana Ferreira Leite, ligada à União Geral dos Trabalhadores (UGT).

Apesar da renúncia de Emediato à presidência do comitê de investimentos, o jornalista não abdicou de seu assento no colegiado, apurou o Estadão/Broadcast, e continua atuando como representante dos trabalhadores nas decisões sobre as aplicações do fundo.

Leia mais: Paulinho indica Marcos Perioto, da Força Sindical, para presidir o FI-FGTS

O comitê realizou uma reunião hoje às 9h30 e a imprensa foi convocada pela assessoria da Caixa, gestora do FGTS, para uma coletiva às 12h. Antes mesmo do horário marcado para a entrevista, no entanto, todos os representantes do colegiado já haviam deixado a sede do banco em Brasília. A assessoria informou aos repórteres presentes que, como não houve confirmação de interesse na coletiva no dia anterior, havia dispensado os membros logo depois do fim da reunião, pouco depois das 10h.

Ainda segundo a Caixa, não houve quórum para deliberações na reunião, por isso foi finalizada antes do horário previsto. A assessoria não forneceu informações sobre a renúncia de Emediato e a nova eleição para a presidência do comitê de investimento. Disse apenas que, no lugar da coletiva, responderá aos questionamentos por e-mail. A assessoria negou qualquer relação entre o cancelamento da entrevista e a renúncia do presidente do comitê do FI-FGTS.

Mais conteúdo sobre:
Odebrecht

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.