Lula admite pressão inflacionária, mas nega mudanças

Presidente afirma que País vive momento 'muito importante' e assegura que não mexerá na política econômica

Vannildo Mendes, de O Estado de S. Paulo,

08 de maio de 2008 | 18h20

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reconheceu nesta quinta-feira, 8, haver pressão dos preços dos alimentos sobre a inflação, mas assegurou que não haverá mudanças na condução da política econômica. "O momento que o Brasil vive é muito importante, é um momento de estabilidade. O momento é bom", assinalou, após solenidade no Palácio do Planalto em que sancionou lei que evita julgamentos repetitivos no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Veja também:Entenda a crise dos alimentos Entenda os principais índices de inflação O presidente ressaltou que o governo está atento ao comportamento dos preços dos alimentos, problema cuja solução, segundo ele, está próxima. "Vamos ter agora uma safra recorde de grãos, de 142 milhões de toneladas. O que precisamos é garantir que os alimentos cheguem mais baratos na mesa do povo. Na medida em que a safra chega, o preço cai", destacou. Lula disse ainda que a desoneração tributária da política industrial que irá lançar na próxima segunda-feira, na sede do BNDES, no Rio de Janeiro, vai impulsionar o desenvolvimento, ao contribuir para o aumento da produtividade das empresas e das exportações.

Tudo o que sabemos sobre:
AlimentosInflaçãoLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.