Lula afirma que não fará mudança radical na economia

Na reunião com os empresários, hoje, no Palácio do Planalto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a reafirmar que não haverá mudanças radicais na política econômica. "Existem muitas pressões para mudarmos a política econômica, mas estou segurando com todas as forças porque é preciso um crescimento com sustentabilidade", disse Lula, segundo o presidente da Federação da Indústria do Maranhão, Jorge Mendes."Em vez de dar passos largos, prefiro ir mais lentamente para não ter que recuar depois", teria dito também o presidente sobre o rumo da política econômica em seu governo. A reunião, segundo relato dos empresários, ocorreu num clima de informalidade e descontração.O vice-presidente, José Alencar, na sua explanação, disse que era o "representante da indústria no governo", contou o empresário José Carlos Lyra, presidente da Federação da Indústria de Alagoas. Lula teria rido com o comentário.O ministro da Fazenda, Antônio Palocci, por sua vez, teria dito que já sabia das dificuldades que enfrentaria no governo antes de assumir o Ministério. "Eu tenho as contas para pagar. Acho os pleitos de redução de juros e impostos justos, mas tenho despesas para honrar até do governo passado", ressaltou Palocci, de acordo com o empresário alagoano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.