Lula anuncia plano para elevar em 40% a produção de pescado

Programa terá investimentos de R$ 1,8 bilhão até 2011; junto com anúncio, presidente cria Ministério da Pesca

Tânia Monteiro, de O Estado de S. Paulo,

29 de julho de 2008 | 18h08

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou nesta terça-feira, 29, o Plano de Desenvolvimento Sustentável da Pesca, com investimentos da ordem de R$ 1,8 bilhão até 2011 para elevar em 40% a produção de pescado no País, de 1 milhão de toneladas por ano para 1,4 milhão de toneladas.   Ao confirmar a transformação da Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca em ministério, Lula anunciou que o País precisa fazer nesse setor "a mesma revolução que fez na agricultura nos últimos 30 anos."   "É uma vergonha em um país com 8,5 milhões de quilômetros quadrados, a gente só pesca um milhão de toneladas por ano", disse, observando que o Peru, com 27 milhões de habitantes, "pesca nove vezes mais, e o Chile pesca dois milhões de toneladas."   Segundo Lula, o Ministério da Aqüicultura e Pesca "terá muito mais estrutura" que a secretaria. Ele anunciou a duplicação do quadro de pessoal, de 200 funcionários para 400, e o aumento do orçamento - de R$ 250 milhões para R$ 500 milhões, além da nomeação de um superintendente em cada Estado.   De acordo com o presidente, "nem a pesca empresarial nem artesanal são competitivas no Brasil, porque nunca receberam uma decisão do Estado de criar, verdadeiramente, condições para que pesca artesanal vire moderna ou a empresarial fique competitiva, como a dos japoneses e peruanos."   Em seguida, o presidente declarou que milhares de toneladas de peixes são mortos, porque muitos só se interessam pela pesca do camarão. "Nós não aproveitamos nem as 300 milhas marítimas", lamentou. Acrescentou que é preciso fazer parceria com prefeituras para mapear rios e lagos e cadastrar melhor os pescadores, "para se saber que tipo de vida eles estão levando e que tipo de peixe estão pescando."

Tudo o que sabemos sobre:
PescaInvestimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.