Lula anuncia que vêm aí novas medidas para agricultura

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou no seu programa semanal de rádio Café com o Presidente, retransmitido pela Radiobrás, que além do pacote de medidas já tomadas, outras estão sendo discutidas. "Isto, para que possamos ter um ano de 2006, 2007, tranqüilos na agricultura brasileira porque ele é muito importante tanto na geração de riqueza para o Brasil como na geração de empregos e renda para os trabalhadores brasileiros". Lula aproveitou e fez uma ameaça para os agricultores que não pagam os empréstimos tomados. "Isso é histórico no País e tem de acabar". Mas o próprio presidente reconheceu no programa de rádio que possivelmente isso não seja tudo o que é preciso para o setor. "Mas é um montante razoável que vai dar para a gente segurar pelo menos para os próximos meses uma garantia de preço". Segundo Lula, essas medidas são emergenciais e necessárias e porque "a agricultura não pode esperar". Sobre as dívidas em atraso, o presidente disse que as pessoas que vêm pagando normalmente seus empréstimos vão ter um tratamento respeitoso e atencioso do governo. "Algumas pessoas neste País, historicamente, tomam dinheiro emprestado e não pagam, e isso tem de acabar. Se nós não tratarmos com seriedade as pessoas sérias, e tratarmos com mais seriedade ainda as pessoas que tentam, sempre, encontrar um jeito de enganar um banco, enganar o governo. Nós não vamos resolver definitivamente o problema da agricultura" . O pacote de benefícios para a agricultura recém anunciado por Lula, prevê a aplicação de R$ 15 bilhões, divididos da seguinte maneira: R$ 1 bilhão para comercialização; R$ 238 milhões para a agricultura familiar; R$ 7,7 bilhões para renegociar a dívida de agricultores; e mais R$ 5,7 bilhões para os bancos emprestarem aos agricultores para comercializarem a safra. Lula disse ainda no seu programa que a agricultura brasileira é motivo de orgulho para o Brasil. "Hoje, o Brasil não tem preocupação de disputar com qualquer outro país do mundo porque nós temos tecnologia, qualidade e os nossos produtores sabem produzir coisas de qualidade, tanto a agricultura empresarial, tanto o agronegócio, como nossa agricultura familiar que tem melhorado porque tem tido assistência técnica, porque tem tido mais dinheiro". Lula explicou que há anos que o setor sofre por causa da seca, por causa da chuva, ou por causa do excesso de produção no mundo inteiro, o que faz o preço cair. "O que nós precisamos é sempre produzir de forma equilibrada para atender as necessidades do mercado interno e as necessidades do mercado externo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.