Lula chega a Davos e pede compreensão de países ricos

Com uma "expectativa boa", o presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou nesta quinta-feira a Davos. Logo em sua primeira entrevista, ele cobrou um posicionamento dos países ricos: "Vim aqui no meu primeiro mandato e disse que era possível criar uma política consistente para diminuir a miséria no Brasil. Hoje eu venho aqui continuando para mostrar que é possível a gente cumprir as metas do milênio, se houver um mínimo de compreensão dos países ricos, não para ficar dando dinheiro para os países pobres, mas para investir em projetos que signifiquem o desenvolvimento dos países pobres". Lula disse ainda que "o mundo que foi pobre nos séculos 19 e 20, pode se desenvolver no século 21".O presidente, em rápida entrevista, anunciou que o ministro Guido Mantega e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, darão uma entrevista ainda hoje em Davos. Lula também anunciou que depois de terminar na sexta-feira as suas atividades no Fórum falará com a imprensa.Segundo agenda divulgada pela Secretaria de Imprensa da Presidência, Lula receberá, no hotel, em audiências separadas, os presidentes da Merck & Co, Richard Clark; da AMD, Hector Ruiz; da Google, Eric Schmidt; do Citigroup, Chuck Prince e do Citibank, Willian Rhodes. Ainda à noite, Lula receberá o ministro da Economia e das Finanças do Reino Unido, Gordon Brown.Integram a comitiva do presidente, os ministros das Relações Exteriores, Celso Amorim; do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan; além de Mantega e Meirelles.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.