Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

IR sobre 1,5 salário mínimo: Lula e Ciro defendem reforma e Tebet não crê em correção da tabela

Com tabela do IR congelada, trabalhador que ganha R$ 1.941 passará a pagar imposto no ano que vem; a campanha de Jair Bolsonaro e o Ministério da Fazenda não se pronunciaram sobre o tema

Adriana Fernandes e Anna Carolina Papp, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2022 | 05h00
Atualizado 14 de julho de 2022 | 08h49

BRASÍLIA - Tema de campanha em 2018, a reformulação do Imposto de Renda voltará à pauta dos candidatos neste ano. A proposta de revisão é defendida pelos presidenciáveis Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Ciro Gomes (PDT), que preveem correção da tabela e fixação de novas alíquotas.

O PT defende uma revisão da tabela do IR coordenada com uma mudança estrutural no modelo de tributação sobre consumo com o de renda e patrimônio. A proposta é ampliar a cobrança sobre a renda dos muitos ricos e reduzir a tributação que incide mais sobre os trabalhadores.

O PDT diz que Ciro Gomes fará uma completa revisão do IR, com a fixação de uma alíquota de 35%. Hoje, a alíquota mais alta da tabela é de 27,5%. 

Já a campanha da candidata do MDB, senadora Simone Tebet (MS), não fala em mudança na tabela e diz que o reajuste do IR não corrigiria as distorções de quem paga pouco ou nada de imposto em aplicações financeiras. Para a equipe de Tebet, é preciso rever esses privilégios e com isso arrecadar dinheiro para uma política pública, focalizada em quem mais precisa, em quem não tem emprego e nem renda. 

Candidato à reeleição, o presidente Jair Bolsonaro prometeu a correção da faixa de isenção do IR para R$ 5 mil nas eleições de 2018. Mas a promessa não foi cumprida. Desde 2015, a tabela não é corrigida, o que na prática acaba aumentando a carga tributária com alta da inflação. O governo enviou uma proposta de reforma do IR taxando lucros e dividendos, reduzindo a tributação das empresas e aumentando a faixa de isenção dos atuais R$ 1,9 mil para R$ 2,5 mil. O projeto foi aprovado na Câmara muito modificado e está parado no Senado.

O Estadão procurou na quarta-feira, 13, as campanhas dos presidenciáveis após mostrar que o congelamento da tabela vai levar a uma situação em que trabalhadores com renda de 1,5 salário mínimo terão de pagar IR. Desde 2015, quando o salário mínimo era de R$ 788, o limite da faixa de isenção é de R$ 1.903. Pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) já aprovada, o valor do mínimo em 2023 será de R$ 1.294 –1,5 salário equivaleria, então, a R$ 1.941.

Procurado, o Palácio do Planalto não quis comentar o tema e transferiu a resposta para o Ministério da Economia, que também não quis se manifestar. A campanha de Bolsonaro só começará a responder os questionamentos depois de oficializar a candidatura.


O economista Guilherme Mello, da Fundação Perseu Abramo e que trabalha na redação do plano de governo de Lula, disse que a tabela do IR terá de ser tratada no debate da reforma tributária, porque o seu congelamento amplia a base de tributação para as camadas de renda mais baixa. “Mais pessoas que ganham menos passam a ter que pagar, mas ao mesmo tempo não aumenta a tributação sobre os ricos. É isso que está acontecendo hoje no governo Bolsonaro”, diz ele. “Será combinado. A tabela terá que ser revista, mas incorporando alíquotas maiores para aqueles que ganham uma renda muito alta”, acrescenta ele, ressaltando que o importante é a que mudança seja estrutural. “Quando se trata pontualmente um imposto ou ouro, perde-se noção da mudança estrutural que precisa ser promovida”, afirma. 

Além de corrigir a tabela e aumentar a tributação dos, Ciro Gomes quer voltar com a cobrança do lucros e dividendos. A campanha não fala ainda em de valores para a faixa de isenção, o que "dependerá de estudos complementares, associados à estratégia de fazer o salário mínimo subir acima da inflação", diz a sua assessoria.

A candidatura de Simone Tebet se posicionou por meio de nota, na qual afirma que, se é verdade que há o “congelamento” da tabela do IR desde 2015, por outro lado o limite atual, de R$ 1,9 mil, não é baixo para um país com renda per capita de R$ 1,4 mil. “De acordo com a atual tabela, a maioria dos contribuintes não paga IR. São 10,7 milhões de declarantes na faixa de isenção, num universo de 30,4 milhões de declarantes (35,2%). “O erro é achar que a pessoa passa de 0 para 7,5% sobre tudo, mas não! A pessoa pagará 7,5% apenas sobre o que excede. No caso de 1,5 salários mínimos, será pago 7,5% apenas sobre R$ 38. Não são nem R$ 3 de imposto”, diz a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.