Lula classifica fracasso na Rodada Doha como 'frustrante'

Em recepção ao presidente da Costa Rica, ele ressalta compromisso dos dois países com liberalização comercial

Leonencio Nossa, de O Estado de S. Paulo,

30 de julho de 2008 | 14h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira, 30, que foi frustrante o fracasso das negociações, em Genebra, para impulsionar a Rodada Doha. Segundo ele, os países mais pobres teriam mais a ganhar com o acordo de comércio mundial.  Veja também:Após Doha, Brasil se concentra em 'resultados', diz AmorimNegociações da Rodada Doha fracassam com impasse agrícolaOs problemas que levaram as negociações ao fracasso Vencedores e perdedores após colapso de DohaPrincipais datas que marcaram a rodadaVeja a reação no Brasil após o fracasso das negociações da OMC Em discurso de recepção ao presidente da Costa Rica, Oscar Arias Sanchéz, no Palácio do Itamaraty, Lula ressaltou que os emergentes continuarão a trabalhar por mudanças nas regras comerciais. "Apesar da frustração das negociações na OMC (Organização Mundial do Comércio), a Costa Rica e o Brasil seguirão empenhados na luta pela liberalização do comércio agrícola", disse. "Esperamos que os avanços já alcançados durante as discussões sejam preservados", acrescentou.  Lula destacou a parceria de livre comercio entre o Mercosul e o Sistema de Integração Centro Americano (Sica) que reúne os países da América Central, além de cooperações técnicas e de transferência de tecnologia entre Brasil e Costa Rica.  Ele ressaltou, também, que a política de biocombustíveis pode reduzir a pobreza na América Central. "O etanol e o biodiesel têm extraordinário potencial na geração de renda e de postos de trabalho, sem falar do impacto na redução na dependência de combustíveis fósseis, mais caros e poluentes".

Mais conteúdo sobre:
Rodada DohaOMCLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.