Lula cobra rapidez no caso da soja recusada pela China

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestou hoje preocupação com o impasse comercial motivado pela suspensão do embarque da soja brasileira para os chineses. O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, que esteve reunido com o presidente por mais de duas horas, disse que Lula pediu um relatório detalhado sobre o impasse comercial e um histórico do problema, que teve início em abril, semanas antes da partida da comitiva presidencial para Pequim. A China é o maior mercado da soja brasileira e consome 20% das exportações nacionais, que no ano passado somaram 20 milhões de toneladas.A China alega mistura de soja com sementes tratadas com fungicidas para rechaçar cargas fornecidas pelo Brasil. Até agora, os chineses recusaram-se a receber 239 mil toneladas de soja e proibiu a compra de grãos fornecidos por oito empresas. O ministro reafirmou que a intenção do governo é editar uma instrução normativa estabelecendo os níveis de mistura de sementes tratadas com fungicidas nos carregamentos de soja. ?A idéia é uma regra que atenda a toda cadeia produtiva e também a demanda da China?, afirmou.Ele garantiu que o governo não tomará partido em questões comerciais, em contratos fechados pela iniciativa privada. Uma fonte que está acompanhando o caso pelo lado chinês disse hoje que a China só voltará a importar normalmente do Brasil se o governo decidir quem vai arcar com os prejuízos das cargas recusadas. O diretor do Departamento de Inspeção Vegetal da Secretaria de Defesa Agropecuária do ministério, Girabis Evangelista Ramos, disse que o caso ?é uma questão privada e as partes têm que se entender?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.