Lula comemora exportações para a América do Sul

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no seu programa semanal de rádio, o "Café com o Presidente", anunciou hoje que as exportações brasileiras para a América do Sul nesses 30 meses "praticamente dobraram" - aumentaram 98,4%. "Nós estamos exportando produtos manufaturados - é telefone celular, carro, autopeças, numa demonstração de que isso significa criar mais riqueza para o Brasil, criar mais riqueza para os países da América do Sul, gerar mais empregos no Brasil e gerar mais empregos lá também. E o Brasil tem muita responsabilidade", afirmou o presidente.Lula falou sobre a reunião da Cúpula da América do Sul, a ser realizada entre quinta e sexta-feiras próximas em Brasília. "Nós precisamos interligar todos os países da América do Sul, precisamos ter aeroportos melhores, portos melhores, nós precisamos ter hidrovia funcionando, porque quase todos os países são cortados por rios que permitem a utilização de barcos. Isso significa desenvolvimento para todos os países".Lula também explicou que um cidadão comum pode pensar que as exportações não têm nada a ver com ele. "Mas, muitas vezes, ele é que não sabe que o produto que ele está produzindo numa fábrica vai ser utilizado num carro produzido na Suécia, na Alemanha, na Inglaterra. Isso é muito importante, por isso que nós somos otimistas, quando nós saímos de R$ 60 bilhões de exportações para R$ 111 bilhões, como nós estamos agora, e aumentando nossa balança comercial e aumentando nosso saldo da balança comercial", explicou Lula.O presidente lembrou que hoje o País tem US$ 40 bilhões de saldo comercial, o que garante credibilidade ao Brasil para comprar produtos de outros países. "Nós temos dinheiro para pagar nossa conta e, aos poucos, as pessoas vão compreendendo", disse. Lula relacionou suas viagens ao bom nível de exportações, explicando que assim também aumenta o número de empregos. "Cada vez que a gente exporta um pouco mais, somos obrigados a produzir mais aqui, a gente produzindo mais aqui vai ter mais empregos, a gente vai ter mais salário, a gente vai poder comprar mais no comércio, o comércio vai fazer mais pedidos para as fábricas, as fábricas vão contratar mais gente, a gente vai vender mais. Esse ciclo virtuoso é que é importante para o Brasil, salientou o presidente da República.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.