Lula comemora resultado ''''espetacular''''

Ao inaugurar trecho de rodovia, voltou a comparar-se com FHC e disse que ''''o País agora tem direção''''

Lisandra Paraguassú, O Estadao de S.Paulo

10 de outubro de 2007 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva classificou ontem de ''''espetacular'''' o resultado do leilão de sete lotes de rodovias federais, realizado ontem. Segundo auxiliares, ele ficou particularmente satisfeito com o deságio de 65,43% no valor do pedágio da Rodovia Fernão Dias.Em discurso em Brasília, Lula foi enfático. ''''Não sei por que eu acordei com uma premonição de que as coisas iriam ser boas, muito boas, para o Brasil hoje. O dia foi bom porque vencemos, depois das barreiras legais e casos criados. Tivemos o leilão de sete lotes de rodovias brasileiras, concessões que estavam há muito tempo para serem feitas , desde o mandato de Fernando Henrique Cardoso. Teve problema no TCU. Mas hoje, finalmente, foi feito o leilão. É uma coisa interessante. Tiramos a outorga do processo porque entendemos que era a melhor forma de diminuir o preço.''''''''O presidente ficou muito satisfeito'''', disse o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento. Antes do leilão, Nascimento acompanhou Lula a outro evento relacionado a rodovias: a inauguração do último trecho da duplicação da BR-060, de Brasília a Goiânia, uma obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). A duplicação da rodovia levou quase 20 anos.Em um discurso em que disse estar ''''cumprindo o sonho de Juscelino Kubitschek'''', o presidente voltou a comparar seu governo com o de Fernando Henrique Cardoso. ''''Estamos concluindo uma obra que começou em 1988. O presidente Fernando Henrique Cardoso concluiu 50 quilômetros e nós concluímos 121 quilômetros'''', afirmou.Lula prometeu investir em mais rodovias na região. ''''Vamos fazer essa rodovia chegar ao Porto de Santos até 2010.''''Lula voltou a criticar os antecessores ao afirmar que há mais de 20 anos não se investe em infra-estrutura no Brasil. Classificou de ''''atrofiamento'''' a situação do País até assumir, em 2003. ''''Depois do governo Geisel (Ernesto Geisel, penúltimo presidente da ditadura militar), fez-se muito pouco em infra-estrutura. Parece que o País está amarrado, atrofiado, impedido de ser o que é. O que nós estamos fazendo não é nenhuma mágica.''''Ele reclamou da visão de que o Brasil é um país ''''pequeno''''. E chegou a se queixar do hábito de se ver o País através de ''''emergências políticas''''. ''''Não podemos ser um país analisado apenas do ponto de vista das emergências políticas. É preciso olhar para as coisas boas que acontecem neste país'''', reclamou.''''Este país deixou de ser um país de faz-de-conta. Deixou de ser um país onde cada um fazia o que queria e a maioria não queria fazer. Este país agora tem direção, projeto.''''COLABORARAM VERA ROSA, LU AIKO OTTA E TÂNIA MONTEIROFRASESLuiz Inácio Lula da SilvaPresidente da República''''O presidente Fernando Henrique Cardoso concluiu 50 km, e nós concluímos 121 km''''''''O Brasil deixou de ser um país de faz-de-conta. Deixou de ser um país onde cada um fazia o que queria e a maioria não queria fazer. Esse país agora tem um direção, tem um projeto''''''''Vamos fazer essa rodovia chegar ao Porto de Santos''''

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.