carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Lula: crescimento em 2008 será semelhante ao de 2007

Na apresentação de sua Mensagem ao Congresso Nacional, lida pelo primeiro secretário da Mesa do Congresso, Osmar Serraglio, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva destaca os resultados econômicos obtidos pelo País em 2007 e avalia que o crescimento em 2008 será semelhante ao do ano passado. "A economia brasileira certamente cresceu mais de 5% no ano passado, com baixa inflação, e, neste ano, continuará crescendo em ritmo semelhante porque os seus fundamentos estão sólidos e ganharam a confiança de todos, tanto interna como externamente", diz o presidente.Segundo ele, o momento favorável da economia brasileira decorre dos avanços da democracia e também contribui para fortalecê-la e consolidá-la. "Os dados e os números que estão sistematizados nesta Mensagem certamente comprovam que vivemos hoje em um País muito melhor do que aquele das últimas décadas", afirma Lula.Ele também destacou a inclusão de milhões de famílias no mercado de consumo, a ascensão social de 20 milhões de brasileiros e o reconhecimento da ONU de que o Brasil entrou no grupo dos países com alto desenvolvimento humano. "Crescer de modo sustentado e com inclusão social tem sido nosso objetivo maior e, sem dúvida, a mais significativa conquista destes últimos anos", diz o presidente.O presidente enumerou os indicadores econômicos que melhoraram significativamente no ano passado, como as reservas internacionais na casa de US$ 180 bilhões, "correspondendo a mais do que o dobro da dívida externa pública e à quase totalidade da dívida externa do País". Também mencionou o superávit de US$ 40 bilhões na balança comercial, refletindo o aumento das exportações e importações. Mas não menciona que este saldo caiu em relação a 2006.Outro destaque feito por Lula é a geração de 1,6 milhão de empregos formais, com queda "contínua" no desemprego. "E a massa salarial cresceu 7% no ano passado, com os trabalhadores obtendo reajustes acima da inflação em quase todas as negociações", afirma.

FABIO GRANER, Agencia Estado

06 de fevereiro de 2008 | 17h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.