Lula: crise não vai afetar investimentos

Apesar da instabilidade dos mercados internacionais, os investimentos em infra-estrutura, as atividades da Petrobras e as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) não serão interrompidos, reiterou hoje o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Eu penso que é importante a gente ficar preocupado, ficar atento com a crise, mas saber que o governo não vai permitir que as obras que nós contratamos e iniciamos vão ser paralisadas. Tudo vai continuar acontecendo neste País", garantiu Lula, durante o programa semanal de rádio "Café com o Presidente". Lula voltou a defender a necessidade de uma regulamentação para o funcionamento do sistema financeiro mundial, proposta discutida na reunião entre líderes europeus e americanos da qual participou na semana passada. "Graças a Deus, os bancos brasileiros não entraram nisso e portanto estão muito mais tranqüilos." O presidente disse estar otimista para a viagem que faz esta semana à Espanha, Índia e Moçambique, para tratar de crise financeira mundial e de bicombustíveis. Lula contou ter conversado com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, sobre as divergências entre EUA e Índia quanto à Rodada Doha de comércio multilateral, e que pretende aproveitar a visita para discutir o assunto com o primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh. "Nunca estivemos tão perto de concluir o acordo. Vai depender muito agora da sensibilidade do governo da Índia." Lula também comemorou o lançamento da plataforma P-51, inaugurada na semana passada, considerada por ele um passo importante para a recuperação da indústria naval brasileira. "O Brasil na verdade está recuperando a sua indústria naval e, com os novos estaleiros, com a descoberta do pré-sal, com as descobertas da Petrobras, certamente, nós vamos chegar daqui a uns anos a ter, se não a maior, mas pelo menos voltar a ser a segunda indústria naval do mundo."

AE, Agencia Estado

13 Outubro 2008 | 10h56

Mais conteúdo sobre:
crise Lula

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.