Lula critica privatização no dia de leilão de rodovias

"O pouco que a gente tinha foi privatizado", afirmou o presidente durante inauguração de obra em rodovia

Agência Brasil,

09 de outubro de 2007 | 14h28

No dia em que o governo federal faz leilão na Bolsa de Valores de São Paulo para privatizar cerca de 2.600 quilômetros de rodovias federais, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a venda de ferrovias para a iniciativa privada realizada em governos anteriores.   "O pouco que a gente tinha foi privatizado e, em muitos casos, não exigiram responsabilidade daquele que privatizou para fazer os investimentos necessários", disse o presidente nesta terça-feira, 9, em Anápolis (GO), durante inauguração da duplicação de 121 quilômetros da rodovia BR-060 que ligam Brasília a Anápolis.   Na ocasião, Lula prometeu que entregará 1.234 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul (do Pará a Goiás) e 1.900 da Ferrovia Transnordestina (sudeste do Piauí ao Porto de Suape, em Pernambuco) até o final de seu mandato, em 2010.   "Esse país deixou de ser um país de faz-de-conta, deixou de ser um país onde cada um fazia o que queria e a maioria não queria fazer", afirmou, completando que não há investimento em infra-estrutura desde o governo Geisel (1974 a 1979), o que, segundo ele, "atrofiou" o Brasil.   A obra na BR-060 começou em 1998 e foi concluída no mês passado. De acordo com o Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit) de Goiás, foram gastos R$ 265 milhões no trecho, sendo R$ 173,6 milhões no governo Lula e R$ 91,4 milhões durante a gestão FHC. Desde o dia 27 de setembro, motoristas trafegam pela pista dupla.   Agora, os 171 quilômetros que ligam Brasília a Goiânia foram duplicados, de acordo com o Ministério do Transporte. A duplicação no primeiro trecho, de Goiânia a Anápolis, foi realizada entre 1981 e 1996, com investimento de cerca de R$ 37 milhões, conforme montante calculado na época, sem atualização. A restauração total dos dois trechos demorou 26 anos para ficar pronta.   Ainda segundo o ministério, as melhorias vão beneficiar cinco milhões de pessoas que vivem nos municípios goianos cortados pela rodovia (Alexânia, Abadiânia, Anápolis, Goianápolis e Goiânia), por onde 11 mil veículos passam diariamente. A BR-060 tem extensão de 1,3 mil quilômetros, desde Samambaia, no Distrito Federal, até a fronteira com o Paraguai, no Mato Grosso do Sul.

Tudo o que sabemos sobre:
Leilão de rodoviasLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.