Lula defende acesso dos mais pobres ao crédito

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em discurso na abertura do III Fórum Internacional de Microcrédito, que o dinheiro existente no sistema financeiro nacional precisa entrar em circulação, "não só por meio dos empresários, mas também por parte da parcela mais humilde da população". Segundo ele, programas como o de contas simplificadas, lançados por algumas instituições, demonstram que as pessoas precisam apenas de uma oportunidade para começar a operar com o sistema financeiro. Segundo Lula, no programa desse tipo de conta criado pela Caixa Econômica Federal, já foram abertas 700 mil contas correntes. O presidente insistiu em que os bancos podem emprestar recursos à população carente, sem medo. "Não tenham preocupação de emprestar ao pobre, porque pobre não dá calote, não vai fugir, até porque não tem para onde ir", afirmou. Na avaliação do presidente, é plenamente possível que o dinheiro guardado "em enormes cofres" seja colocado na mão do povo, transformando-se, assim, em consumo, em geração de emprego, "fazendo a roda da sociedade funcionar". O presidente observou, ainda, que o governo pretende estender aos aposentados o programa lançado há cerca de um mês, de empréstimos com descontos em folha de pagamento para os funcionários da iniciativa privada. Estavam presentes na solenidade de abertura, entre outros, além de Lula, a rainha Sofia, da Espanha; o ministro da Fazenda, Antonio Palocci; e a presidente da Organização Wemen Together, Joana Caparrós.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.