Lula defende uso do etanol no lançamento do novo Gol

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a defender hoje o uso do biocombustível, no lançamento do novo Gol, na fábrica da Volkswagen, em São Bernardo do Campo (SP). Muito entusiasmado com o lançamento, o presidente aproveitou a ocasião para elogiar não só o fato de o projeto do novo veículo ser brasileiro, como também o uso do combustível alternativo, o etanol. "Haverá um momento em que o mundo irá se curvar aos combustíveis renováveis e o Brasil vai poder vender mais", disse ele, arrancando aplausos da platéia.Para o presidente, "o novo Gol será motivo de inveja para muitos países que pensam que são mais desenvolvidos que o Brasil", e ressaltou que a criatividade do povo brasileiro não é apenas no futebol e no samba. Para ele, o Gol continuará sendo a "menina dos olhos" não só do Brasil, como da América Latina. E lembrou que esteve presente no lançamento do primeiro motor flexfuel do Gol, no ano de 2003. "Pouca gente acreditava, na época, que o carro pudesse usar esse combustível e hoje, praticamente 100% da frota brasileira é flexfuel", emendou.Lula lembrou também que ouviu muita choradeira dos empresários, na ocasião, e que eles "pareciam criança querendo mamar". De acordo com o presidente, a única ação naquele momento foi pedir paciência aos empresários porque as coisas se resolveriam. "Hoje eu volto aqui e a indústria automotiva bate recordes de produção e de vendas." E continuou: "Isso é fruto da confiança dos empresários que aumentaram seus investimentos quando perceberam a estabilidade da economia." Lula ressaltou que o País passa hoje por um círculo virtuoso, no qual ganham as empresas e os trabalhadores.Durante a participação no lançamento do novo Gol, Lula descerrou o pano que cobria o veículo, de cor prata. Lula entrou no carro, no lugar do motorista e ao seu lado estava o diretor mundial do grupo, Francisco Garcia Sanz. Lula também cumprimentou um a um os oito trabalhadores da montadora que participaram do evento, representando todo o corpo de funcionários. Durante o discurso, o presidente da Volkswagen no Brasil, Thomas Schmall, ressaltou que já foram produzidas 5,7 milhões de unidades do Gol, que veio para substituir o Fusca nos anos 80. Ele disse também que, deste total, 800 mil forma destinados à exportação para 50 países.Schmall enfatizou ainda que o Gol total flex foi lançado em 2003 em São Bernardo do Campo (SP) e contou com a presença do presidente do Lula. "É uma tecnologia que desperta o interesse de todo o mundo", disse, referindo-se à aposta que o governo Lula está fazendo em relação ao uso do etanol. O presidente da Volkswagen disse também que o Gol é o carro mais vendido do País há 21 anos. "Tanto na produção, quanto no emprego, nos investimentos e nas exportações, o Gol é o campeão brasileiro de todos os tempos."Também participaram do evento, o candidato à Prefeitura de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, os senadores Aloizio Mercadante (PT-SP) e Eduardo Suplicy (PT-SP), o deputado federal Vicentinho (PT-SP), o vice-governador de São Paulo, Alberto Goldman, e o ministro do Desenvolvimento da Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.