Lula defenderá redução do protecionismo no Mercosul

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva embarca hoje à noite para Montevidéu, Uruguai, onde participará amanhã da 38ª reunião de Cúpula do Mercosul. Durante o encontro, Lula vai defender a redução do protecionismo na região, que aumentou muito por causa da crise financeira internacional.

JOÃO DOMINGOS, Agencia Estado

07 de dezembro de 2009 | 16h14

A informação é do porta-voz da Presidência da República, Marcelo Baumbach. Segundo ele, o Brasil, como parceiro que já superou a crise, tem condições de tentar impulsionar o crescimento regional, principalmente nas áreas de petróleo, gás, alimentos e setor automotivo, além do setor de serviços, por causa da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016.

Baumbach informou ainda que, no dia 10, Lula vai para o Peru, onde terá encontro com o presidente Alan García. Em pauta estará o aumento da cooperação e acordos bilaterais para impulsionar o comércio. O porta-voz informou ainda que Lula e García podem assinar acordo para a questão da aviação regional na área de fronteira entre os dois países.

Com relação a Honduras, Baumbach reafirmou que a posição do presidente Lula continua clara. O Brasil não pretende reconhecer o governo eleito daquele país, porque o processo eleitoral foi organizado por um governo ilegítimo.

COP-15

O presidente Lula deverá ficar dois dias em Copenhague, na Dinamarca, durante a 15ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-15) e não apenas um dia, como estava inicialmente previsto. A informação é do porta-voz da Presidência da República. Segundo ele, a mudança foi motivada pela confirmação da presença de outros presidentes na conferência.

Segundo Baumbach, a data da viagem do presidente não está fechada ainda, mas é provável que ele participe da reunião nos dias 17 e 18 próximos. O porta-voz informou ainda que a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, deve viajar no próximo dia 12 para Copenhague, onde participará da COP-15.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.