Lula destaca papel de Furlan como interlocutor

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, teve reforçado ontem seu papel de principal interlocutor entre o setor privado e o governo. Único ministro de Lula a se sentar na primeira fila da cerimônia de apresentação da nova diretoria da Fiesp, Furlan teve seu nome citado uma dezena de vezes por Lula, como o maior articulador de ações federais que beneficiaram o setor privado, entre elas a redução das alíquotas de IPI, a formulação do Modermaq e, principalmente, a expansão das exportações, que devem bater os US$ 94 milhões neste ano. Lula fez menção especial e elogiosa ao trabalho de "mascate" realizado por Furlan, que teve impacto direto na ampliação das vendas externas. O presidente também falou do ministro do Desenvolvimento ao mencionar o trabalho do governo no âmbito das negociações internacionais, onde o Brasil tem registrado vitórias expressivas em contenciosos com os Estados Unidos e a Europa, sobretudo nos casos do açúcar e do algodão. Furlan faz parte, junto com Celso Amorim (Relações Exteriores) e Roberto Rodrigues (Agricultura), do que Lula chamou de "ataque do Santos".CNIO presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro Neto, foi um destaque entre os mais de 200 convidados vips da cerimônia de apresentação da nova diretoria da Fiesp. Sentou-se na primeira fila da escadaria, ao lado de Paulo Skaf, do governador Geraldo Alckmin, do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, da prefeita Marta Suplicy, do ministro do Desenvolvimento, Luís Fernando Furlan, e do ex-presidente da Fiesp, Luiz Eulálio Bueno Vidigal. Monteiro Neto primeiro ouviu de Skaf que o presidente da entidade paulista vai construir uma total sinergia com a confederação. E depois, discursou. Na mesma linha de Skaf, elogiou a proposta de "ação de resultados" da nova Fiesp, defendeu a integração de todos os setores da sociedade na busca pelo crescimento sustentado do País e também, em tom conciliador, elogiou as ações do governo federal para a redução do IPI, do prazo de ressarcimento do PIS/Cofins e dos custos de investimentos. O nome de Armando Monteiro também foi citado diversas vezes pelo presidente Lula, que se referiu a ele e a Paulo Skaf como as grandes lideranças do empresariado nacional.Leia maisFesta suntuosa mostra força política de Skaf Skaf Evita críticas ao governo Lula sinaliza tratamento especial a Skaf Lula: "Ainda é cedo para pensar nas eleições de 2006"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.