Lula deve participar do Fórum Econômico Mundial

A participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva no próximo Fórum Econômico Mundial, que ocorrerá entre os próximos dias 26 e 30 de janeiro em Davos, na Suíça, é dada como certa pelos organizadores do evento. Embora o Palácio do Planalto não tenha ainda confirmado oficialmente a viagem, o presidente já manifestou ao ministro do Desenvolvimento, Comércio Exterior e Indústria, Luiz Fernando Furlan, sua disposição em participar do evento, que reúne anualmente chefes de Estado, autoridades, banqueiros, empresários e intelectuais na pequena cidade dos Alpes. Furlan freqüenta os encontros de Davos há muitos anos e o considera como um palco fundamental para divulgação dos interesses brasileiros no exterior.Além do presidente e Furlan, a delegação do governo brasileiro deverá contar com outros nomes de peso. No final de semana passado, durante a reunião do G-20 em Berlim, o ministro da Fazenda, Antônio Palocci, e o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, confirmaram à Agência Estado que irão participar do evento. Outros ministros também poderão participar caso a presença de Lula seja mesmo confirmada.O tema do próximo encontro de Davos será "Assumindo Responsabilidade por Escolhas Difíceis". Logo após assumir a Presidência da República, em janeiro de 2003, Lula participou do Fórum Econômico Mundial, gerando críticas dentro do Partido dos Trabalhadores por se tratar de um evento que congrega a elite financeira e econômica mundial. Lula foi um dos principais destaques do evento daquele ano ao lançar a sua campanha global de combate à miséria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.