seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Lula discute indicação de Luís Carlos Guedes para ministro da Agricultura

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva discute na quinta-feira na reunião de coordenação política o nome do engenheiro agrônomo Luís Carlos Guedes Pinto para substituir Roberto Rodrigues no cargo de ministro da Agricultura. Guedes Pinto ocupa desde de janeiro do ano passado a secretaria Executiva do ministério e é o candidato natural ao cargo por indicação, inclusive, do próprio Roberto Rodrigues. Profissional "nota 10" e conhecido como o "homem da reforma agrária", segundo assessores, Guedes nunca deixou prevalecer suas posições pessoais durante os 17 meses em que dividiu a condução da política agrícola com Roberto Rodrigues. Defensor da reforma agrária e responsável pela estruturação da Conab, órgão que presidiu nos dois primeiros anos de governo com a responsabilidade de garantir a execução do Programa Fome Zero, a opção por Guedes Pinto reforça seus vínculos com o governo e ideais petistas. Ele chegou ao governo pelas mãos do então ministro de Segurança Alimentar e Combate à Fome, José Graziano, atualmente assessor especial de Lula. Na época, Graziano indicou Guedes para a presidência da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB) e o também amigo Clayton Campanhola, para presidir a Embrapa. Campanhola perdeu o cargo depois de uma crise de mais um ano com Roberto Rodrigues, que discordava da política da empresa de dar ênfase à agricultura familiar. No comando da Conab, Luís Guedes deu eficiência ao órgão, profissionalizou as superintendências estaduais, não concordando com indicações políticas, e seu trabalho permitiu visibilidade ao programa Fome Zero, executado, na época, por Graziano. Ele organizou as compras de produtos agrícolas de pequenos produtores, amparados pelo Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf). Em janeiro do ano passado, deixou a Conab e foi ser o secretário Executivo de Roberto Rodrigues, que não resistiu à indicação. Afinal, tratava-se de um amigo de mais de 40 anos. Os dois foram colegas de turma de formatura da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da Universidade de São Paulo, em 1965. A confirmação de Guedes para ministro é considerada uma "solução lógica" pelos colegas. Ele é considerado um profissional competente e extremamente rigoroso, qualidades que garantiram uma ação bem sucedida na solução de questões administrativas da pasta.Luís Guedes, embora mantenha excelentes relações com o governo e com o PT, foi apontado como um profissional que "jamais" tentou fazer prevalecer uma posição pessoal nas discussões de equipe. "Todos sabemos que ele é um defensor da reforma agrária, mas foi fiel ao ministro Rodrigues e as posições do ministro. Nunca divergiu das posições do ministro", contou um assessor. "Vamos ver como ele será como ministro", sugeriu esse assessor. Luís Guedes formou-se em engenheiro agrônomo em 1965 e, em 1973, fez o curso de doutorado na Esalq. Em 1991, fez pós-doutorado na Universidade de Córdoba, na Espanha. Desde 1983, é professor da Unicamp, já tendo lecionado na Universidade Católica de Campinas e na Universidade de Brasília. Ele foi secretário de agricultura do Estado de São Paulo e presidente da Associação Brasileira de Reforma Agrária de Campinas, além de diretor da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo. Em 2003, ocupou a presidência da Conab, de onde saiu em janeiro de 2005 para assumir a secretaria executiva do ministério da Agricultura.

Agencia Estado,

28 de junho de 2006 | 23h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.