Alessandro Bianchi/Reuters
Alessandro Bianchi/Reuters

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Lula discute segurança alimentar com líderes na sede da FAO

Brasil apresentou projeto de desenvolvimento agrícola da Embrapa que vem sendo transferido a países africanos

Andrei Netto, de O Estado de S. Paulo,

15 de novembro de 2009 | 18h11

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reuniu neste domingo, 15, com líderes políticos para uma reunião de trabalho sobre o Desenvolvimento da Agricultura na Savana Africana. O encontro foi o primeiro compromisso oficial externo do chefe de Estado brasileiro em Roma, na Itália, onde a delegação participará nesta segunda-feira da Cúpula Mundial sobre Segurança Alimentar.

 

O governo brasileiro apresentou nesse evento os projetos de desenvolvimento agrícola do cerrado, cujo conhecimento vem sendo transferido a 25 países da África, como Angola, Moçambique e Gana, por meio de programas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) em regiões de savana. O evento teve a participação do diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), Jacques Diouf, e chefes de Estado africanos.

 

O evento antecedeu a conferência desta segunda-feira, da qual devem participar mais de 60 líderes políticos de todo o mundo. O tema de 2009 é a coordenação global para o combate à fome. Também nessa segunda o presidente Lula deve receber uma homenagem da Action Aid International. A ONG vai apresentar um levantamento – baseado em dados oficiais, mas também em organismos internacionais – sobre a eficácia das políticas públicas de enfrentamento da miséria, no qual conclui que o Brasil é exemplo para o mundo.

 

“Fizemos um estudo comparativo sobre as políticas de segurança alimentar de todos os países do mundo. E, entre os países em desenvolvimento, o Brasil foi o que, disparado, teve a melhor eficácia no combate à fome”, justificou Adriano Campolina, diretor internacional da Action Aid, citando políticas de combate à fome e de estímulo à agricultura familiar no Brasil. “A redução da fome foi extremamente substancial, rápida e sustentável. Mais de 10 milhões de famílias saíram da pobreza extrema, e este número é substancial. Não são mais pessoas subnutridas.”

Tudo o que sabemos sobre:
FAOLulasegurança alimentar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.