Lula diz em entrevista que espera crescimento acima da meta

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta que espera que a economia brasileira cresça este ano 4,7%, acima, portanto, da meta usada pelo Banco Central, que é de uma expansão econômica de 3,5%. Para 2005, a aposta do presidente é que o conjunto de riquezas produzidas pelo País, o Produto Interno Bruto (PIB), cresça mais de 3,5%. "Se crescermos 4,5% a 5% no próximo ano, se crescermos em 2006 entre 4,5% e 5% de novo, estaremos consolidando este crescimento sustentado", disse o presidente em entrevista à agência de notícias internacional Bloomberg.Lula também previu que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central deve retomar o processo de redução gradual da taxa básica de juros da economia - a Selic - a partir de 2005. "O ideal seria que no próximo ano trabalhássemos para que a taxa de juros possa começar a cair um pouco, para que as pessoas possam ter uma taxa de juros real próxima daquilo que é aceitável para a sociedade brasileira", disse o presidente.Apesar de apostar no retorno do corte de juros a partir do próximo ano, Lula deixou claro na entrevista que não deixará o Banco Central abandonar o trabalho de manter a inflação sobre controle. "A inflação traz enormes danos para a parte mais pobre da população", afirmou.Lula reafirmou o compromisso de que o governo manterá sua política econômica, baseada no forte controle dos gastos públicos. Segundo o presidente, o governo continuará gastando apenas aquilo que pode efetivamente gastar. O ajuste fiscal, entretanto, não contará como novos cortes de despesas, como foi feito em 2003 e 2004. "Não temos mais onde cortar, essa é a verdade", disse o presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.