carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Lula diz que comprador de material de catador terá incentivo

O presidente participou de evento de Natal com catadores de papel e população em situação de rua em SP

Francisco Carlos de Assis, da Agência Estado,

23 de dezembro de 2010 | 14h27

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva iniciou seu pronunciamento hoje, no evento de Natal com catadores de papel e população em situação de rua, em São Paulo, falando do estado de saúde de seu vice-presidente, José Alencar, e pedindo ao padre Júlio Lancelotti que orasse um Pai Nosso em sua intenção. Após a oração, Lula falou que toda essa energia positiva iria fazer muito bem a Alencar e que seu vice lhe prometeu estar presente na posse de Dilma Rousseff, no dia 1º de janeiro, em Brasília.

Na cerimônia, Lula refutou que tenha criticado a imprensa, no evento do ano passado, e disse que o maior problema do País é que algumas pessoas agem sem saber que o mundo mudou. "Morador de rua é um caso de amor, de paixão e de políticas públicas, em vez de pensar que é caso de cassetete de polícia", disse o presidente, sob aplausos.

Lula mandou um recado ''ao companheiro Kassab'' (prefeito da capital, Gilberto Kassab/DEM) para tratar bem essa população. "Não estamos pedindo favor", disse, anunciando que na semana que vem assina uma Medida Provisória dando incentivo ao empregador que comprar material reciclado dos catadores de papel.

Em rápido discurso, disse que a presidente eleita vai tratar todos como mãe e com respeito. "A Dilma tem compromisso com vocês". E disse a ela que muitas pessoas vieram de longe para o evento e irão passar o Natal na estrada. "Quero agradecer do fundo do coração o carinho que vocês tiveram comigo" e falou do programa Brasil Sorridente que cuida da saúde bucal das pessoas carentes.

No final do discurso, Lula disse: "Estou apenas deixando a presidência da República, mas se vocês me convidarem estarei aqui no Natal do ano que vem". E reiterou que o compromisso dele com essa comunidade não ficará restrito ao seu exercício na Presidência da República. "Vocês entraram no Palácio do Planalto como entra um empresário, um presidente.

Só vamos construir um País justo quando olharmos uns para os outros como irmãos de caminhada, de luta, para construirmos um País melhor", acrescentou. Lula disse que ele é quem tinha que se curvar à população de rua e de catadores e fez um gesto de reverência no final, emocionando alguns dos participantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.