Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Lula diz que mundo tem nova geografia econômica

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje, na Unctad, que o mundo vive hoje "uma nova geografia econômica", com o crescimento e o fortalecimento do comércio entre os países situados ao Sul dos continentes. "Esta surgindo uma nova geografia econômica, em particular do comércio mundial, resultante, entre outros fatores, do aumento das trocas comerciais entre os países em desenvolvimento."O presidente lembrou, que em meados dos anos 80, os países do Sul eram responsáveis por 20% do comércio global, enquanto que hoje esta participação está em 30%. "Ainda mais significativo é o fato de que os produtos manufaturados vêm apresentando participação crescente nas nossas exportações: de 20% em 1980, passaram para 70%, em 2000. Estamos apreendendo a agregar valor às nossas riquezas naturais e ao trabalho de nossos braços", acrescentou.Dentro desta nova dinâmica comercial, Lula lembrou que os intercâmbios Sul-Sul saltaram de 34%, em 1990 para 46% hoje. "Enquanto comércio mundial cresceu a taxa de 5% ao ano na década de 90, o comércio Sul-Sul, no mesmo período , apresentou um incremento anual de 10%", citou. Para ele, tal desempenho pode ser justificado pelo número crescente de acordos bilaterais e regionais de comércio entre países em desenvolvimento. Por isso, exortou os países a darem continuidade a este tipo de relação comercial, já que "os ganhos concretos para os países do Sul ainda estão longe de seu potencial".O presidente ressalvou, entretanto, que a nova geografia não se propõe e nem deve substituir o intercâmbio comercial Norte e Sul. ?O Norte desenvolvido continuará sendo parceiro valorizado e indispensável. Temos plena consciência de sua importância como destino para nossas exportações e como fonte de investimentos e tecnologia de ponta", observou.

Agencia Estado,

14 de junho de 2004 | 12h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.