Lula diz que pagamento ao FMI é gesto de seriedade

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que a antecipação do pagamento de US$ 15,5 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI) foi um gesto de seriedade do governo na administração da economia. Falando de improviso na solenidade de divulgação da declaração conjunta dos governos do Brasil e da Colômbia, o presidente disse que ontem, pouco antes de deixar o Brasil, havia combinado com o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, fazer "mais um gesto de seriedade nas questões econômicas, nas questões das finanças".Lula disse que, no ano passado, "sem que ninguém soubesse, sem alarde, sem barulho", o governo assinou um novo acordo com o Fundo. E explicou a decisão de quitar, agora, a dívida com o organismo. "Não precisávamos (do dinheiro). Estávamos numa situação boa com a balança comercial, e entendemos de devolver ao FMI dinheiro que o governo anterior ao meu pegou emprestado, (dinheiro) que não precisávamos", disse LulaAo continuar a falar do assunto, o presidente confundiu-se com os números: "Devolvemos US$ 14 bilhões (sic) que só teríamos que devolver em 2007. Estávamos pagando juros", disse ele, sem atentar para o valor correto, de US$ 15,5 bilhões, que foi pago. No pronunciamento, Lula disse ainda que tem orgulho das coisas que está fazendo (no governo) e que está colhendo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.