Lula e Bush ainda tentam acordo na OMC, diz embaixador dos EUA

Os presidentes do Brasil e dosEstados Unidos estão determinados a dar impulso a um acordosobre o comércio global, e Washington espera que haja algumprogresso nas próximas semanas. disse na segunda-feira oembaixador dos EUA no Brasil. Brasileiros e norte-americanos são parte de um grupocentral de negociadores, que inclui também a Índia e a UniãoEuropéia. As partes falharam em alcançar um acordo estruturalna Rodada de Doha, que trata da liberalização dos mercados emtodo o mundo e é patrocinada pela Organização Mundial doComércio (OMC). "Os presidentes estão muito, muito focados em atingir umaresposta positiva", disse o embaixador Clifford Sobel, queacompanhou as conversas bilaterais de alto nível no Brasilneste mês sobre de Doha. "É complicado, mas nós não desistimos, e talvez comlideranças como os presidentes (George W.) Bush e (Luiz Inácio)Lula (da Silva)... nós ainda possamos ter sucesso", disse Sobeldurante um encontro na Federação das Indústrias do Estado doRio de Janeiro (Firjan). As conversas na OMC serão retomadas nesta semana emGenebra, em preparação a um encontro ministerial que deveocorrer em setembro. Mediadores na organização propuseram nasemana passada um último esforço conciliatório para superarimpasses em bens agrícolas e industriais. "Abrir (as negociações) para um grupo maior de países emGenebra pode ser o tipo de catalisador necessário para umavanço", disse Sobel. O Brasil afirmou que a proposta conciliatória da OMCfavorecia claramente os países ricos. Sobel, por sua vez, afirmou que os outros países precisavamser mais flexíveis e que as nações em desenvolvimento seriam asmaiores beneficiadas em um eventual acordo. A Rodada de Doha foi lançada em 2001 para impulsionar aeconomia global e ajudar os países em desenvolvimento a usar ocomércio para combater a pobreza. (Por Andrei Khalip)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.