finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Lula espera que BRICs possam ver a crise como oportunidade

Em encontro com o presidente da Rússia, ele afirma que espera que 'nosso povo possa sair muito mais forte'

Adriana Chiarini, da Agência Estado,

26 de novembro de 2008 | 13h20

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira, 26, que "essa crise é uma oportunidade para os países em desenvolvimento". Ele referiu-se especialmente aos integrantes do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China). Lula espera que esses países possam ver a crise como oportunidade "e que nosso povo possa sair muito mais forte". Ele citou que a primeira cúpula dos países BRICs será realizada na Rússia no ano que vem e que a parceria entre eles pode ser expandida. Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica  Lições de 29Como o mundo reage à crise  Dicionário da crise  Em declaração por ocasião da visita do presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, Lula comentou que os países em desenvolvimento já respondem hoje por mais de 60% do crescimento da economia mundial e disse esperar que eles "não permitam que a crise prejudique o crescimento e a geração de empregos".  O presidente lembrou que Brasil e Rússia defendem mecanismos de regulação transparente em relação à economia e querem evitar atitudes protecionistas no comércio, com conclusão da Rodada Doha ainda este ano. Ele ainda citou o apoio brasileiro à entrada da Rússia na Organização Mundial do Comércio (OMC) e agradeceu o apoio dos russos ao pleito brasileiro de ocupar um assento no Conselho de Segurança da ONU, assim como de reformar urgentemente as Nações Unidas.  O presidente disse ainda que a Rússia poderia fornecer equipamentos para as novas usinas hidrelétricas que estão sendo construídas no Brasil. Ele saudou a instalação da empresa russa de energia Gazprom no Brasil. Lula destacou ainda a cooperação científica e espacial entre os dois países.  Brasil e Rússia firmaram uma série de acordos esta manhã no Itamaraty, no Rio, inclusive um que retira a necessidade de vistos para visitas de até 90 dias em ambos os países.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.