coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Lula faz novas críticas a subsídios dos EUA e UE

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva iniciou sua participação na 2ª Reunião de Cúpula do Fórum de Diálogo Brasil-Índia-África do Sul (Ibas) com comentários sobre futebol e novas críticas aos subsídios agrícolas concedidos pelos Estados Unidos e pela União Européia (UE) aos seus produtores. Lula ressaltou a importância de um bom entendimento entres os países emergentes na disputa com os desenvolvidos no âmbito da Organização Mundial do Comercio (OMC). "Pouco vale sermos convidados para a sobremesa no banquete dos poderosos", disse o presidente brasileiro.No giro que faz pelo continente africano, Lula já adiantou que Brasil está disposto a ceder na redução de tarifas de importação de produtos industrializados dos EUA e da UE se houver uma contrapartida à altura no caso uma redução significativa dos subsídios agrícolas.Na parte do encontro da Ibas aberta à imprensa, o primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, não citou diretamente as disputas na OMC, mas cobrou maior integração entre os três países no debate de medidas que possam resolver o problema da pobreza. "Os três países devem atuar mais em conjunto para solucionar o problema da miséria", disse. Pouco antes, o presidente sul-africano, Thabo Mbeki, e Lula falaram em tom descontraído sobre futebol. "Mbeki, quero parabenizá-lo, porque a África do Sul vai realizar a Copa do Mundo de 2010 e contratou um bom técnico brasileiro com experiência em ganhar títulos mundiais, que é o Parreira", disse Lula, arrancando risos de autoridades e empresários.Mbeki respondeu: "Se perder, a culpa é do técnico." O brasileiro retrucou: "Se for para a final com o Brasil e perder, é normal." No primeiro mandato, Lula reclamou em público de uma escalação de Parreira, então técnico da seleção brasileira.

LEONENCIO NOSSA, ENVIADO ESPECIAL, Agencia Estado

17 de outubro de 2007 | 09h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.