Lula garante que gás não vai aumentar para consumidor

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva garantiu hoje que o consumidor não pagará mais caro pelo gás, mesmo que haja um aumento do preço do produto exportado pela Bolívia. Ele não descartou, porém, que a Petrobras pague mais caro pelo produto, reforçando as declarações de ontem, no encontro com os presidentes da Bolívia, Argentina e Venezuela, quando aceitou negociar a questão. Lula não disse, contudo, como a Petrobras contabilizaria este prejuízo."Não tenho dúvidas de que a Bolívia vai cumprir os contratos. Não vai aumentar o gás e, se aumentar, vai ser para a Petrobras, não para o consumidor", afirmou. O discurso de Lula, na cerimônia de inauguração da hidrelétrica de Aimorés, em Minas Gerais, foi praticamente todo voltado à questão da Bolívia.O presidente rebateu as críticas de que o Brasil aceitou sem reclamar as duras medidas do governo boliviano contra a atuação da Petrobras. Novamente, defendeu a soberania boliviana, mas não criticou a igualmente dura reação da Petrobras."O Brasil, perto da Bolívia, é um país rico. Em três anos de governo, não consegui brigar com o Bush. Vou brigar com a Bolívia? Primeiro, acho que a Bolívia tomou uma decisão soberana, como acho que a Petrobras tem direito de pedir pagamento pelo investimento que fez. A Petrobras é uma empresa. E como empresa investirá em qualquer lugar que lhe garanta o retorno do capital investido, mais o lucro. Tem gente que acha que tem que ser duro para resolver o problemas. Eu às vezes acho que ser carinhoso resolve", declarou.Críticas ao governo anteriorLula aproveitou a ocasião para acusar veladamente o governo de seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso, de ter tornado o Brasil dependente do gás produzido pela Bolívia, e, embora voltando a defender o direito dos bolivianos de nacionalizarem a produção, elevou levemente o tom da polêmica em relação aos vizinhos.Além de comparar o problema ao "apagão" energético que ameaçou o Brasil em 2001, o presidente contou que, na reunião ontem com o presidente Evo Morales, reclamou com o colega da ocupação das refinarias da Petrobras Bolívia por tropas do Exército local."Eu disse: Não precisava ter mandado o Exército local. Não precisava mandar o Exército, temos endereço", disse Lula a Morales, segundo declarou, em discurso na solenidade de inauguração da Usina de Aimorés (UHE Eliezer Batista), em Aimorés, Minas Gerais, junto à divisa com o Espírito Santo. Ele voltou a defender a construção de um gasoduto que vá da Venezuela à Argentina, passando pelo Brasil, obra avaliada em US$ 23 bilhões e que muitos especialistas do setor acusam de ser inviável.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.