Lula: governo não permitirá retorno da inflação

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que o Brasil é o país onde a inflação menos cresceu nos últimos meses e reiterou que o governo está trabalhando para não permitir o retorno da inflação. Lula afirmou que a situação impôs um desafio ao Brasil, que é o de aumentar sua produção agrícola. O presidente disse que o governo deve lançar ainda nessa semana programas para incentivar a agricultura empresarial, no Paraná, e para a agricultura familiar, em Brasília."Nós estamos com a perspectiva de um programa Mais Alimentos com a agricultura familiar em que queremos investir R$ 25 bilhões de financiamento na agricultura para que as pessoas possam comprar máquinas novas, levar conhecimento tecnológico e melhorar a qualidade da terra", disse o presidente, ao participar da cerimônia de comemoração dos 30 anos da Helibras, em Itajubá (MG).Lula disse ainda que embora a inflação tenha se elevado no mundo todo, o Brasil foi um dos países em que ela menos cresceu. "Se você olhar o quadro inflacionário no mundo, hoje, você vai perceber que dentre todos os países que estão sendo vítimas da inflação de alimentos, o Brasil é o País em que a inflação cresceu menos, numa demonstração de que estamos tomando as medidas adequadas", ressaltou. "E o que nós não vamos permitir, em hipótese alguma, é a volta da inflação, porque ela corrói exatamente o poder aquisitivo das pessoas que ganham menos", acrescentou.Na avaliação do presidente, além de ter havido aumento do consumo por chineses, indianos e africanos, os alimentos estão sendo vítimas de especulação nos mercados futuros. "Tem uma especulação de alimentos no mercado futuro, ou seja, as pessoas estão vendendo hoje o milho que vão produzir daqui a dois ou três anos e a minha preocupação é que o preço de 2010 seja praticado no preço de hoje. Tem a questão do etanol de milho, mas também tem a chuva que deu agora nos Estados Unidos e que perdeu metade dessa safra americana", declarou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.