Lula lança PAC e diz que desafio é crescer corretamente

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta segunda-feira, dia 22, em seu discurso de lançamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que o desafio do segundo mandato é acelerar o crescimento de forma correta. "É hora de romper barreiras e superar limites", disse. Segundo Lula, o primeiro governo foi calcado em manter a estabilidade econômica e ampliar empregos e agora será a hora de proporcionar o crescimento da indústria para gerar mais empregos sem inflação e garantindo a estabilidade conquistada.O presidente afirmou ainda que um país como o Brasil precisa de programas como o de Aceleração do Crescimento, cujos objetivos ultrapassem o horizonte de apenas um governo. Com isso, voltou a afirmar que as medidas do PAC não se esgotam ao longo do seu segundo mandato.Lula explicou que o programa engloba um conjunto de medidas destinadas a desonerar e incentivar a iniciativa privada, aumentar os investimentos públicos e aperfeiçoar a política fiscal. De acordo com ele, as medidas serão divididas em cinco blocos: investimento em infra-estrutura; estímulo ao crédito e financiamento; medidas de desenvolvimento institucional; de desoneração da administração tributária; e medidas fiscais de longo prazo. "A minha intenção é estimular todos os setores a participar do crescimento. Não pode ser uma medida isolada do governo", disse. Medidas precisam ser aprovadasO presidente disse ainda que para que o PAC tenha sucesso é necessário o engajamento de todos. "Precisamos acelerar com firmeza e na hora certa. E não podemos ter medo de aumentar a velocidade", disse. Ele aproveitou para pediu a ajuda dos parlamentares, no sentido de aprovar as medidas que ainda dependem de votação para entrar em vigor. "Entendo que a disputa política é envolvente e apaixonante. Mas não podemos perder as oportunidades e o bom ambiente que se oferecem ao País."Educação e segurança públicaLula disse que nos próximos dias serão anunciadas medidas específicas para desenvolvimento da educação e segurança pública. "As soluções óbvias nem sempre são as mais fáceis", disse Lula, em discurso. Segundo Lula, é necessário se criar no País uma infra-estrutura social. Ele destacou investimentos que devem ser feitos nos próximos anos para melhorar o saneamento básico, energia elétrica, abastecimento de água e educação. Ele destacou que o mais importante é que o governo criou as condições fiscais que permitem o aumento de investimentos federais, sem comprometer a estabilidade das contas públicas e do controle da inflação. Tudo isso, segundo Lula, mantendo o ambiente de democracia. "Aqui não se cresce sacrificando a democracia. Aqui, o econômico, o político e o social estão intensamente enlaçados", afirmou Lula, citando em seguida o apoio dos principais partidos no Congresso, que formarão uma coalizão, no segundo mandato, e a presença dos governadores, hoje, no Palácio do Planalto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.