Lula não descarta compra de ação de banco em caso extremo

O presidente Luis Inácio Lula da Silva não descarta a possibilidade de que, em um caso extremo, o governo venha a comprar ações de bancos brasileiros. Lula, que esteve em Toledo para receber o prêmio Dom Quixote, disse que a compra de ações de bancos não seria a única opção. Mas não descartou que o governo possa comprar ações, como vem ocorrendo na Europa. Questionado duas vezes durante uma conferência de imprensa se o Brasil deveria seguir o exemplo dos europeus e comprar ações de bancos, Lula tentou evitar uma resposta clara e apenas indicou de forma evasiva que não excluiria a possibilidade."Depende, depende. Depende se tiver um banco numa situação que avaliarmos que precisa. Primeiro vamos fomentar outro banco que compre sua carteira, como o Banco do Brasil já comprou três e que terá a disponibilidade de comprar mais", afirmou Lula. "Segundo, se for necessário, faremos o redesconto via Banco Central. O que eu acho é que precisamos ficar atentos", completou o presidente.Lula insistiu que os governos europeus tomaram a decisão certa em anunciar pacotes de compra de ações de bancos. "Fico satisfeito quando vejo os governantes do mundo tomarem decisões sábias", disse. Ele lembra que US$ 3 trilhões já foram anunciados para esse fim nos países ricos. "Acho correto o que os países estão fazendo, comprando as ações dos bancos que estão quebrando. O que eu vejo de importante é que os governantes querem garantir que os correntistas estejam protegidos", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.