Lula não fala do mínimo e comemora vitória sobre EUA na OMC

Em rápido discurso na inauguração das obras de ampliação do Centro de Recebimento de Embalagens de Agrotóxico de Guariba, no interior paulista, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não mencionou o novo valor do salário mínimo, optando por falar em ecologia e da vitória do Brasil sobre os Estados Unidos no contencioso do algodão na Organização Mundial do Comércio.Lula criticou a política adotada pelo Itamaraty no governo Fernando Henrique Cardoso e elogiou a atuação do então ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, por ter iniciado o painel na OMC. "O importante foi que o Pratini queria brigar, mas possivelmente houve alguém do Ministério das Relações Exteriores que não queria porque em alguns momentos na História do Brasil foi considerado importante não fazer nada que pudesse contrariar os interesses dos mais ricos", afirmou. "Com essa bela vitória na OMC, vamos ter um salto de qualidade, sobretudo nos Estados produtores de algodão", afirmou.O presidente citou ainda o fato de o Brasil recolher hoje metade das embalagens de agrotóxicos que utiliza. "Temos que mostrar para eles (os EUA e Europa) que somos mais competentes do que eles. E prezamos pela nossa saúde", afirmou. O presidente chegou a sugerir que os países ricos paguem para o Brasil pelo fato de o País cuidar da Amazônia. "Esperamos ganhar um dia um dinheirinho porque temos a maior reserva florestal. E eles terão que pagar para a gente por sermos tão cuidadosos, o que eles não foram (com as florestas deles), apesar de nossos problemas", disse.Lula vai dormir na fazenda Santa Izabel, do ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues. Nesta sexta-feira, o presidente visitará a feira Agrishow em Ribeirão Preto e inaugurará na cidade uma unidade de saúde. Além de Rodrigues, Lula terá a companhia dos ministros da Fazenda, Antonio Palocci (ex-prefeito de Ribeirão), e da Saúde, Humberto Costa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.