Lula não precisa ameaçar empresários, diz cientista político

O cientista político e professor da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Fábio Wanderley Reis acredita que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não precisava ameaçar os empresários com a abertura das importações, caso as empresas não segurem os reajustes de preços. "Ele (Lula) não precisava fazer isso no atual contexto. Acredito que o presidente possa estar incomodado com a alta de juros e a necessidade de implantar uma política econômica que promova realmente o desenvolvimento. Mas não vejo como isso se encaixa nessa bronca com o empresariado", reiterou.Na opinião do professor, da maneira como a bronca foi dada, passa a impressão de que há uma certa confusão sobre esses temas (inflação, taxa de juros e crescimento). Além da repercussão negativa que o fato provocou no mercado, com as manifestações de líderes empresariais e sindicais, Fábio Wanderley também concorda com a análise de que a medida sugerida pelo presidente (a de estimular as importações) não é suficiente para reduzir as taxas de inflação. De acordo com os analistas, a causa principal da pressão inflacionária está nos preços administrados, como as tarifas públicas.O cientista político da UFMG também destaca que este ano a questão do crescimento x taxa de juros estará cada vez mais em pauta. "O governo do presidente Lula deverá continuar agindo com moderação na área econômica. Mas também deverá questionar até que ponto deve se manter fiel a uma linha mais dura (na questão dos juros, por exemplo) para sustentar a respeitabilidade do mercado, já que o crescimento e o desenvolvimento são questões cada vez mais urgentes."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.