Lula: País terá sistema ferroviário moderno e integrado

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que o Brasil terá um sistema ferroviário "muito vigoroso" para auxiliar o País a se transformar numa economia "muito forte". No programa semanal de rádio "Café com o Presidente", que foi ao ar hoje, Lula destacou a Ferrovia Leste-Oeste, de 1.527 quilômetros, cujo edital foi lançado na sexta-feira. De acordo com ele, a ferrovia permitirá que o Brasil tenha um aparelho de transporte sobre trilhos "altamente moderno e praticamente integrado", pois será interligada com a Ferrovia Norte-Sul.

AE, Agencia Estado

29 de março de 2010 | 09h07

"Você vai ter uma ligação direta, sabe, de todo o Norte e o Nordeste com o sistema ferroviário se ligando ao Sul e ao Sudeste do País, numa demonstração de um sistema ferroviário vigoroso para garantir mais capacidade de escoamento das coisas produzidas no Brasil", afirmou. Com o término, em 2012, da Ferrovia Transnordestina, disse, o País terá uma malha ferroviária muito forte.

Lula falou também do Gasoduto da Integração Sudeste-Nordeste (Gasene), de 1.387 quilômetros, outra obra que ajudará no crescimento do Nordeste. A inauguração do Gasene, na Bahia, na semana passada, significa, segundo o presidente, "um pouco mais de independência" para o desenvolvimento do Nordeste, porque a região terá as mesmas condições de receber gás que tem o Sudeste.

"É um gasoduto que tem uma grandeza porque é o maior gasoduto construído pelo Brasil nos últimos dez anos, e o mais importante é que ele vai transportar 20 milhões de metros cúbicos de gás por dia, ou seja, isso é praticamente mais do que dobrar aquilo que era a capacidade do Nordeste brasileiro."

De acordo com Lula, o Gasene permitirá industrializar mais o Nordeste, modernizar a produção da região e levar uma energia mais limpa. O gasoduto, lembrou o presidente, é fruto de uma parceria com a China, num investimento de R$ 7,2 bilhões, com a criação de 47 mil empregos na construção.

Lula destacou também a importância da entrega de ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para o sistema de saúde brasileiro. "Nós temos um compromisso de entregar este ano 3.800 novas ambulâncias. Hoje atingimos 1.234 municípios, atendemos, mais ou menos, 130 milhões de pessoas. Com todas as ambulâncias funcionando, nós vamos atender praticamente 4 mil municípios, chegando a quase 165 milhões de pessoas", citou. Para o presidente, "é preciso cada vez mais melhorar a qualidade de saúde do povo brasileiro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.