Lula pede empenho de empresários para o sucesso do PAC

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu a empresários do setor siderúrgico empenho para garantir o sucesso do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). "Temos de participar e agir com mais determinação, questionar os questionamentos", afirmou o presidente, de acordo com um dos participantes do encontro.Ao ouvir sugestões dos empresários do setor siderúrgico, Lula disse que é preciso "se armar tecnicamente" para enfrentar o debate político. "Tem muitos direitos difusos que atrapalham o direito de criar empregos", disse o presidente, conforme o relato de empresários. "É preciso construir hidrelétricas e dragar portos",afirmou."A sociedade brasileira tem de ter otimismo, acreditar e não ser pessimista", completou o presidente ao mostrar aos empresários as dificuldades para o andamento de obras e propostas. Ele, no entanto, não mencionou nem a oposição e nem o Ministério Público que freqüentemente têm bloqueado o andamento de obras por questões ambientais. Da parte do governo, além do presidente, participam da reunião a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e o ministro da Fazenda, Guido Mantega. EmpresáriosNo encontro, o empresário Jorge Gerdau fez uma contundente defesa do PAC durante a audiência: "quando falam do meu apoio ao plano, tem gente que até me chama de chapa branca". Neste momento, o presidente da Arcelor Brasil e amigo de Gerdau, José Armando de Figueiredo Campos, brincou: "chapa branca, não. Todos sabem que o senhor é candidato a ministro". Lula, segundo relatos dos participantes, apenas ouviu o comentário.Tanto o presidente como os empresários demonstravam descontração. "Ao contrário do que dizem, o plano tem diretrizes claras e medidas concretas", avaliou em entrevista após o encontro o empresário José Armando Figueiredo Campos. "Não estamos defendendo o capitalismo selvagem, mas o crescimento rápido da economia", disse ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.