Lula pede moratória a subsídios agrícolas para nações em desenvolvimento

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sugeriu hoje que a proposta de uma moratória nos subsídios das exportações agrícolas daUnião Européia para os países africanos seja estendida para todas as nações em desenvolvimento. A idéia de ajuda ao Continente africanofoi apresentada pelo presidente francês Jacques Chirac. "A idéia de moratória nos subsídios para a África é um reconhecimento de queesses subsídios machucam a todos", disse o ministro das RelaçõesExteriores, Celso Amorim, em coletiva à imprensa, na qual fez umaavaliação da participação de Lula no encontro de líderes do G-8. "Porque então não fazer isso para todos os países em desenvolvimento?", indagou Amorim. Em seu discurso endereçado aos chefes de Estado presentes em Evian, na França,Lula ressaltou a importância de uma melhor relação entre as naçõesricas e os países em desenvolvimento, mas também alertou danecessidade de os países emergentes estreitarem as suas relaçõescomerciais e políticas. Segundo Amorim, o presidente George Bush, dos Estados Unidos, fez uma menção durante a reunião a esse trecho do discurso do presidente brasileiro.Já Chirac disse que vai levar à reunião fechada do G-8, que serárealizada amanhã, a proposta de Lula pela criação de um fundo mundialcontra a fome e a pobreza. "Chirac disse que vê a proposta com bonsolhos e que ela deverá ser debatida no encontro de amanhã", disse Amorim. PODER DE BARGANHA - Segundo Amorim, a ofensiva diplomáticabrasileira de procurar uma maior aproximação com os países emdesenvolvimento tem, entre seus objetivos, "aumentar o poder debarganha" do Brasil e dos demais países nas negociações multilateraise bilaterais com as nações ricas. O minitro ressaltou que representantes do Brasil, Índia e África doSul irão, pela primeira vez, se reunir na próximo dia 6, em Brasília,para discutir assuntos de interesse mútuo. "Poderemos até acertar umareunião dos chefes de Estado desses países", disse o ministro. Alémdisso, observou o chanceler, alguns chefes de Estado de outros países emdesenvolvimento que se encontraram com Lula em Evian ressaltaram aimportância de que o Brasil assuma um papel de liderança naarticulação de seus interesses comuns. Dentro dessa perspectiva,surgiu a idéia de o Brasil sediar uma reunião do G-15 ainda neste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.