finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Lula: Petrobras precisa devolver ao País o que extrai

Em discurso a funcionários do Estaleiro Mauá, em sua maioria metalúrgicos, em Niterói, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, defendeu hoje que a Petrobras "por mais que tenha ações na Bolsa de Nova York, será sempre uma empresa nacional, uma empresa do povo brasileiro". Segundo Lula, "houve um período no governo passado, há cerca de dez anos, que pensava-se que a Petrobras só tinha que dar lucro, porque era uma empresa com ações em bolsa. Se ela precisasse contratar um navio naquela época, eles construíam lá fora porque era mais barato. A decisão era somente financeira e empresarial. Não se pensava na importância da empresa para o desenvolvimento do País", frisou o presidente durante a cerimônia de assinatura de contrato para a construção de quatro navios de produtos para a Transpetro.Referindo-se durante o tempo todo de seu discurso ao presidente José Sérgio Gabrielli como sendo "o primo rico da indústria nacional", Lula também exaltou a importância de a Petrobras "devolver ao Brasil o que extrai do seu subsolo". Nesta linha, ele afirmou que achou acertada a idéia de retirar da 9ª Rodada de Licitações de Áreas Exploratórias de Petróleo, realizada pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) nesta semana, os 41 blocos localizados ao longo da camada de sal na costa brasileira. "O petróleo que está lá embaixo de sete mil metros não é da Petrobras, da ANP, ou de qualquer outra empresa, mas do povo brasileiro", disse o presidente, citando as reservas potenciais do bloco de Tupi, na Bacia de Santos.Ainda no mesmo evento, o presidente aproveitou para cobrar também da Vale a mesma "atenção" com o desenvolvimento do País. Dirigindo-se ao presidente da empresa de logística da Vale, a Log-In, Mauro Dias, presente no local para a contratação de outros cinco navios, Lula cobrou: "O que estou dizendo para a Petrobras também serve para a Vale. Não adianta vir aqui apenas construir navio para carregar para fora do País o nosso minério de ferro. É preciso fabricar aço no País, para gerar mais riquezas aqui dentro", acentuou.

KELLY LIMA, Agencia Estado

30 de novembro de 2007 | 19h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.