Lula promete ao Paraguai estudar revisão do tratado de Itaipu

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu ao "colega" Nicanor Duarte Frutos que analisará a situação do Paraguai em relação à usina hidrelétrica de Itaipu. Durante reunião realizada na quinta-feira à noite, o presidente do Paraguai solicitou a retirada de um termo do tratado para a construção da usina binacional que, segundo avaliação de Duarte Frutos, representa uma "dupla indexação" da dívida do Paraguai com a usina.Segundo o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o país vizinho não havia apenas proposto a revisão do tratado bilateral que impôs as condições para a construção e a comercialização da energia de Itaipu. Com essa posição, Mantega deixou claro que o governo brasileiro não permitirá alterações na fórmula de reajuste da dívida paraguaia com o Tesouro Nacional - resultante da parcela do país vizinho na usina que foi coberta por um empréstimo brasileiro.Qualquer mudança resultaria, inevitavelmente, em aumento no preço da energia exportada pelo Paraguai ao Brasil - o que elevaria os custos para os consumidores brasileiros. Mantega afirmou que uma nova reunião com os paraguaios deverá ocorrer na próxima semana. "Mas não para rever o tratado. Apenas para atender parte das reivindicações paraguaias, que não tem a ver com a revisão."O mais breve possível De acordo com o vice-chanceler do Paraguai, Rubén Ramírez Lezcano, o "Brasil ficou de fazer uma proposta para nos apresentar o mais breve possível". Duarte Frutos espera também uma resposta da Argentina sobre o perdão da dívida que o país possui com a usina binacional Yacyretá. Na última segunda-feira, em visita de Néstor Kirchner à Assunção, ficou acertada a criação de uma comissão para realizar o levantamento de toda a situação de Yacyretá.O principal objetivo da comissão será a de apurar as de denúncias de corrupção nas licitações da obra da usina. Duarte Frutos argumenta que não pode assumir a dívida de aproximadamente US$ 12 bilhões provocada por anteriores governos em casos "não muito transparentes".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.