seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Lula promete ligação rodoviária de Goiás a Santos até 2010

Presidente critica antecessores ao dizer que há mais de 20 anos não se investe em infra-estrutura no Brasil

Lisandra Paraguassu, do Estadão,

09 de outubro de 2007 | 16h30

Ao inaugurar a duplicação da rodovia que liga Brasília a Goiânia, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez mais promessas de investimentos federais em estradas na região. Lula disse que até o final de seu mandato irá voltar ao mesmo local para anunciar a ligação de Goiás ao porto de Santos. "Vamos fazer essa rodovia chegar ao porto de santos até 2010. Vamos, ainda no meu governo, inaugurar essa rodovia definitivamente até o porto de Santos."   Veja também: BR Vias leva o quinto trecho do leilão, da BR-153 Leilão de rodovias é interrompido com mandado de segurança OHL arremata trecho da BR 101, seu quarto no leilão OHL leva mais um trecho no leilão, por pedágio de R$ 1,028 OHL também leva Fernão Dias, com pedágio de R$ 0,997 OHL leva trecho da Régis Bittencourt com pedágio de R$ 1,364   O presidente voltou a criticar seus antecessores ao afirmar que há mais de 20 anos não se investe em infra-estrutura no Brasil. Classificou de "atrofiamento" a situação do País até assumir, em 2003. "Depois do governo Geisel (Ernesto Geisel, penúltimo presidente da ditadura militar), fez-se muito pouco em infra-estrutura nesse País. Parece que o País está amarrado, atrofiado, impedido de ser o que é. O que nós estamos fazendo não é nenhuma mágica, nenhum milagre", disse.   Lula reclamou, ainda, da visão que existe de que o Brasil é um País "pequeno". E, levemente, chegou a se queixar do hábito de se ver o País através de "emergências políticas". "Não podemos ser um país analisado apenas do ponto de vista das emergências políticas que acontecem diariamente. É preciso a gente olhar para as coisas boas que acontecessem nesse País", reclamou. "Esse deixou de ser um País de faz-de-conta. Deixou de ser um País onde cada um fazia o que queria e a maioria não queria fazer. Esse País agora tem uma direção, tem um projeto".   Ao lado do novo presidente do Departamento Nacional de Infra-estrutura Terrestre (Dnit), Luís Antonio Pagot, e do ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, ambos indicados ao cargo na cota do PR, Lula aproveitou para elogiar seu ministro e, indiretamente, negar que Nascimento seja uma indicação política. "Alfredo foi eleito senador, poderia estar no Senado. Eu disse, 'Alfredo, o seu mandato não é no Senado, o seu mandato é junto comigo'. Ele largou o Senado e veio ser ministro", contou. Pagot não chegou a discursar e sentou na segunda linha de autoridades. Mas ganhou um abraço do presidente ao descerrar a placa de inauguração da rodovia.

Tudo o que sabemos sobre:
Lularodovias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.