Lula promete responsabilidade nas políticas monetária e fiscal

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em discurso durante almoço com mais de 600 empresários, investidores e analistas em Nova York, prometeu preservar a postura de responsabilidade nas políticas monetária e fiscal e disse que o governo teve de tomar medidas duras para estabelecer as bases de um crescimento sustentado de longo prazo."2003 foi um ano difícil, mas também foi um ano em que lançamos as bases para o crescimento que está se dando de forma sustentada. Tomamos medidas duras até mesmo politicamente difíceis. Tem gente que fica dez anos no governo e não tem coragem de fazer mudanças na Previdência Social ou na política social", disse.Ele ressaltou a coragem de seu governo de promover as reformas. "Se dependesse apenas do medo político, eu não teria feito a reforma da Previdência, porque eu tinha um compromisso assumido com a minha origem política que era o movimento sindical. Entretanto, eu não podia pensar apenas em meus amigos sindicalistas ou nos atuais aposentados. Tinha de pensar na nação", afirmou Lula.O presidente disse que o governo está convencido de que uma política monetária e fiscal responsável é essencial para o crescimento econômico duradouro e sustentável. Ele lembrou que esse inclusive foi um compromisso assumido pelo PT durante a campanha eleitoral de 2002."Há pessoas que podem dizer que o governo mudou de posição, mas é importante lembrar a famosa Carta ao Povo Brasileiro, assinada em junho de 2002, antes das eleições, quando nós assumimos o compromisso com a atual política econômica", disse.RealizaçõesLula destacou, além da aprovação das reformas da Previdência e tributária, que a inflação foi controlada, caindo de 17,2% no auge para os 5,2% ao ano. Ele também lembrou que o risco Brasil caiu bastante e também que a taxa de juros foi reduzida. "Além disso as previsões de crescimento para este ano estão sendo revisadas para cima e a retomada do crescimento está se dando em base sustentada", afirmou Lula. Ele disse que a criação de 535 mil postos de trabalho nos primeiros quatro meses deste ano é a mais alta taxa de criação de empregos desde 1992, mas ainda é pouco. Lula disse que uma melhor redistribuição de renda no País dará maior consistência ao processo de crescimento, inclusive ajudando a reduzir a vulnerabilidade do País a choques econômicos. Nesse processo de redução da vulnerabilidade do País, ele destacou a melhora nas contas públicas, inclusive com superávit nas transações correntes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.