Lula propõe livre-comércio entre Mercosul, África e Índia

Em visita à África do Sul, presidente afirma que 'grupo criará a maior área de livre-comércio do mundo'

Efe,

17 de outubro de 2007 | 10h36

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva propôs nesta quarta-feira, 17, a criação de um acordo trilateral de livre-comércio que inclua os países do Mercosul, a África do Sul e a Índia. "Esse grupo criará a maior área de livre-comércio do mundo", afirmou Lula no discurso de abertura do Fórum de Diálogo entre Índia, Brasil e África do Sul (Ibas), realizado em Pretória. "Será um grande espaço econômico do Sul", acrescentou. Veja também: Da África, Lula discute retomada de Doha com Bush Lula, o presidente sul-africano, Thabo Mbeki, e o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, participam desta edição do Fórum Ibas, grupo criado em 2003 para unir os três países em negociações com os países mais ricos. Durante a abertura da cúpula, o presidente brasileiro insistiu na necessidade de as três nações manterem uma cooperação cada dia mais estreita. Para isso, Lula afirmou que tentará atrair os outros integrantes do Mercosul para assinar acordos comerciais com os dois países. Ele pediu que Mbeki faça o mesmo com os países da União Aduaneira da África Austral (SACU, que reúne África do Sul, Botsuana, Lesoto, Namíbia, Suazilândia), enquanto a Índia se uniria individualmente. Segundo Lula, esse espaço econômico reuniria 1,5 bilhão de pessoas e mais de US$ 2 bilhões de Produto Interno Bruto (PIB). "Sei que conto com o apoio do presidente Mbeki e do primeiro-ministro Singh", afirmou em discurso. Lula chegou na noite de terça-feira a Pretória, na África do Sul, na terceira etapa de uma viagem pelo continente africano que o levou antes a Burkina Fasso e à República do Congo e que termina nesta quinta em Angola. O presidente insistiu na necessidade de unir esforços para avançar rumo à reforma das instituições das Nações Unidas, que sem isso correm o risco de perder credibilidade. Entre as mudanças propostas está o ampliação do Conselho de Segurança da ONU, para representar melhor os países em desenvolvimento. Lula ressaltou as vantagens do grupo reunido nesta quarta para defender as posturas desses países diante das nações industrializadas. "Nossos acordos de cooperação têm um impacto nos países pobres. Não beneficiaremos só os nossos países, mas toda a humanidade", disse. O presidente Mbeki também se mostrou favorável à expansão e ao fortalecimento do Ibas, e a colocar em prática as idéias que estão surgindo dentro do grupo. A idéia de estender aos outros países das regiões representadas acordos múltiplos de livre-comércio também foi defendida pelo primeiro-ministro da Índia.

Tudo o que sabemos sobre:
LulaMercosulIbas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.