Lula quer discutir Rodada de Doha com Índia e G8

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ao jornal britânico Financial Times (FT) que espera ver os temas da Rodada de Doha de comércio sendo discutidos mesmo que "só numa reunião de duas horas", na cúpula do G8, no próximo fim de semana, na Rússia."Não é possível que os presidentes dos países mais importantes do mundo se reúnam e o assunto mais importante do mundo não seja analisado", afirmou Lula, na entrevista publicada nesta quarta-feira.Os líderes do Brasil e da Índia, considerados pesos pesados nas conversas de Doha, participarão de uma reunião especial com os representantes do G8 (os sete países mais industrializados do mundo e Rússia). A China também foi convidada para o encontro, na próxima segunda-feira, em São Petersburgo.O presidente disse ao FT que a reunião pode até dispensar a presença da Rússia, que não pertence à Organização Mundial do Comércio (OMC). "Será uma reunião necessária, mesmo que só dure duas horas. Nossos representantes na mesa de negociação estão em dificuldades, de modo que os líderes têm que dizer se querem avanços ou não", acrescentou.Lula destacou as posições dos chefes de governo do Reino Unido, Tony Blair, e da Alemanha, Angela Merkel, que, na sua opinião, querem um acordo na Rodada de Doha.No entanto, Lula disse que o presidente francês, Jacques Chirac, tem "uma posição muito mais dura em defesa dos agricultores franceses, e sua posição conta muito na Europa".Lula reafirmou a necessidade de os Estados Unidos reduzirem os subsídios agrícolas e de a União Européia (UE) diminuir suas barreiras tarifárias para produtos agrícolas.Para ele, as disputas eleitorais estão afetando as perspectivas de progresso na Rodada de Doha. "O problema não é econômico, é eleitoral. Os líderes estão pensando nas próximas eleições", comentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.