Lula quer reduzir imposto e tarifas para garantir a meta

Presidente convoca ministros para mapear os produtos que registram pressões de preços

Tânia Monteiro, SAN SALVADOR, O Estadao de S.Paulo

30 de maio de 2008 | 00h00

Preocupado com a persistente alta da inflação, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer que todos os ministros se mobilizem, cada um em sua área, para verificar que itens estão pressionando os preços dos produtos. O objetivo de Lula é ter subsídios para que o governo possa tomar medidas pontuais para garantir o cumprimento da meta inflacionária preestabelecida pelo governo. Entre as medidas, podem vir novas desonerações tributárias e redução de tarifas de importação. A possibilidade de redução de impostos foi admitida ontem, em Brasília, pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. "Nós já baixamos no aço e no trigo e se houver outros produtos cuja redução da tarifa de importação possa reduzir os preços, nós o faremos", declarou o ministro. As preocupações do presidente foram relatadas pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Miguel Jorge, e haviam sido manifestadas por Lula durante o vôo entre Haiti e El Salvador, em que Jorge esteve presente. De acordo com o ministro, na volta de sua viagem à Europa, na próxima semana, o presidente pretende reunir-se com os ministros para acertar medidas concretas."Este é um problema do governo todo. É um problema de todos os ministérios", comentou o presidente na conversa com os ministros. Na avaliação de Lula, todas as áreas do governo têm de ajudar o Banco Central a controlar a inflação.Miguel Jorge comentou que, no caso da sua pasta, apresentará à equipe econômica a proposta de que a Câmara de Comércio Exterior (Camex) reduza a zero a alíquota de importação de vários produtos. Um deles, informou, pode ser o aço. Ele evitou, no entanto, listar esses produtos. O ministro informou que quer se reunir com Guido Mantega para fazer uma avaliação dos produtos que possam estar pressionando a inflação, para que eles tenham as tarifas de importação zeradas. Lembrou, porém, que a Camex reúne sete ministros e a redução tarifária precisa ser aprovada por todos.Na conversa com os ministros durante o vôo, o presidente lembrou que, no caso dos preços administrados, o governo já está fazendo o que é possível, citando a redução de impostos sobre a gasolina. Lula observou que o Banco Central tem limitações para controlar a inflação, referindo-se ao fato de que o BC já tem feito isso por meio da elevação das taxas de juros.O presidente voltou, mais uma vez, a citar que o aumento do preço do petróleo tem impacto sobre os alimentos, inclusive porque atinge o preço dos fertilizantes. Um dos pontos discutidos na conversa foi a necessidade de uma nova política de preços mínimos para incentivar os agricultores. A avaliação é de que, como os custos da produção se elevaram muito, os produtores têm de ter uma garantia para plantar. COLABOROU ADRIANA FERNANDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.