Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Lula reafirma a 'marolinha' e cobra desculpas

Presidente acredita ter acertado na previsão sobre efeitos da crise no País, mesmo sabendo que era grave

Clarissa Oliveira, O Estadao de S.Paulo

26 de agosto de 2009 | 00h00

Confiante de que não errou ao dizer que o Brasil estava pronto para o "espetáculo do crescimento" e que a crise econômica passaria pelo Brasil como uma "marolinha", o presidente Luiz Inácio Lula da Silva cobrou ontem um pedido de desculpas dos que o criticaram.   Veja também:  'Filiação não altera rumo da política monetária' "Eu me lembro, como se fosse hoje, que fui na Ford em julho ou agosto de 2003, quando citei a frase do espetáculo do crescimento. Ninguém nunca me pediu desculpas. Eu também não quero mais", ironizou. Em São Bernardo do Campo, onde participou de um debate sobre o impacto da crise na região, Lula disse ter enxergado o potencial do País na época. O mesmo, destacou o presidente, ocorreu quando procurou fazer uma avaliação do impacto que a atual crise poderia ter na economia brasileira. "Quando nós dizíamos que era marolinha, não é porque nós não tínhamos ideia do tamanho da crise."O presidente investiu no discurso de que a indústria brasileira exagerou ao reagir à eclosão da crise nos Estados Unidos, no fim do ano passado. "Não exista nenhuma razão para a brecada que demos nos meses de novembro, dezembro e janeiro."Sem esconder a satisfação em devolver as críticas, ele prosseguiu com as cobranças. Lembrou, por exemplo, que foi atacado por viajar demais. E ainda por ter adquirido o Aerolula. "Quando eu comprei o avião, vocês estão lembrados? É o Aerolula, o avião é do Lula, o avião é do Lula, o avião é do Lula. Uns disseram: Vamos vender e fazer dez hospitais. Hoje eu acho que o avião é pequeno." O entusiasmo foi tanto que Lula precisou se desculpar para a plateia quando discursava sobre seu empenho em rodar o mundo para promover produtos brasileiros. "Hoje, não tem mais esse negócio de o presidente ficar com a bunda na cadeira - desculpem o palavrão - achando que as pessoas vão vir aqui comprar", disse. Esse não foi o único momento em que Lula arrancou risos da plateia. Ao comentar as dificuldades de estimular as vendas de carros usados, ele disse ter ouvido da direção do Banco do Brasil que faltava "expertise" ao País nesse segmento. "Não tem expertise, vamos comprar. O Corinthians não está sem centroavante? Compra um. Comprou o Fofão, mas o Fofão cismou de fazer lipo", brincou, em referência ao jogador Ronaldo. Lula lembrou as inúmeras vezes em que foi retratado em charges. E aproveitou a chance para alfinetar a imprensa. "Hoje eu fico orgulhoso porque não sou só eu que falo", disse, ao exaltar as conquistas de sua administração. "É só ler. Se vocês lerem a imprensa brasileira, vão ler pouco. Mas leiam a imprensa estrangeira especializada em economia para vocês verem o que falam do Brasil a Alemanha, a França, a Espanha, a Inglaterra, os Estados Unidos, todo o mundo."No Brasil, entretanto, Lula disse que "uns poucos" aprenderam a "vender só desgraça". "Mas os números desmentem qualquer invenção diabólica. Os números são irrefutáveis", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.