Lula: recursos do PAC chegam a R$ 1 tri com empresários

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva traçou nesta sexta-feira uma estimativa otimista para a economia nos próximos quatro anos, dizendo que, pelo menos em tese, os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) poderão atingir a escala de R$ 1 trilhão, em quatro anos, caso os empresários sejam induzidos a aplicar recursos no País acompanhando os investimentos públicos. "Estamos numa situação econômica na qual podemos anunciar à população brasileira o PAC, com praticamente R$ 504 bilhões de investimentos em quatro anos. Se for verdade a teoria de que, para cada R$ 1 que o governo e empresa pública colocarem, a iniciativa privada coloca R$ 1, significa que, na teoria, poderemos chegar a R$ 1 trilhão de investimentos nos próximos anos", afirmou, ao participar do lançamento da pedra fundamental para a construção da Petroquímica Paulínia (PPSA), no município de Paulínia, cerca de 120 quilômetros de São Paulo .Lula prometeu acompanhar pessoalmente e cotidianamente a execução de todos os projetos inseridos no PAC, viajando pelo País "mais do que em qualquer outro momento". "Aprendi nos quatro primeiros anos de governo que se o presidente da República não tomar conta do rebanho, ele (o presidente) pode ver o gado se perder nesse imenso território de 8 milhões de metros quadrados", justificou.AtrasosNa avaliação do presidente, vários projetos são interrompidos ou atrasados por "nuances jurídicas" e problemas ambientais, devido ao envolvimento dos mais diversos órgãos governamentais. Por isso, reiterou que todos os projetos listados no PAC terão prioridade para conclusão, com retirada de qualquer tipo de entrave."Tudo isso está colocado no PAC por termos o compromisso do governo para que esse País saia de um patamar de crescimento de 2%, 2,5% ou 3%, e entre definitivamente num crescimento de mais de 5%, porque essa é a vocação do Brasil", prometeu, ao acrescentar que crescimento não pode ser feito com base em "números fictícios".PaulíniaAo defender o PAC, Lula enfatizou que a unidade a ser construída em Paulínia, uma associação entre Petrobras e Braskem e que terá investimentos da ordem de US$ 300 milhões para a produção de polipropileno, deve ser considerada prioritária, bem como todos os demais investimentos na cadeia petroquímica, por ser um setor de base e com demanda crescente no País.A petroquímica deve registrar faturamento médio anual de US$ 300 milhões, dos quais US$ 41 milhões referentes a exportações. A unidade, que vai produzir até 350 mil toneladas de polipropileno por ano, entra em operação em março do ano que vem e deve destinar entre 20% e 25% de sua produção para o mercado internacional."Tudo indica que, de três em três anos, ou, no máximo, de quatro em quatro anos, o Brasil precisará de uma nova fábrica como essa, com produção anual de 300 mil toneladas de polipropileno", estimou. "Queremos mostrar ao mundo que é possível crescer sem inflação, exportar mais sem asfixiar o mercado interno, ampliar o consumo sem inflação e expandir a renda dos mais pobres do País", complementou.LocalizaçãoDe acordo com o presidente do conselho da petroquímica, uma joint venture entre Braskem e Petroquisa, Luiz de Mendonça, a localização da planta, junto à Refinaria de Paulínia (Replan), vai beneficiar o atendimento do mercado da região Sudeste, responsável por 60% do consumo de polipropileno (PP) na América Latina. "A Petroquímica Paulínia representa ainda um novo modelo de joint venture, com a participação dos sócios na cadeia do negócio. Isso confere vantagens competitivas ao projeto", acrescentou Mendonça.A Petrobras fornecerá o propeno utilizado na produção da resina termoplástica a partir da Replan e da Revap, em São José dos Campos. Segundo o diretor-superintendente da PPSA, Guilherme Guaragna, cerca de 75% da matéria-prima será proveniente da refinaria de Paulínia. A Braskem, por sua vez, que detém participação de 50% na joint venture, utilizará sua estrutura de vendas para colocar o produto da nova petroquímica. com Stella Fontes

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.