Lula: relação entre Brasil e Bolívia inaugura nova fase

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que os acordos firmados hoje inauguram uma nova fase no relacionamento entre Brasil e o país vizinho. Em discurso no Palácio Quemado, sede do governo boliviano, Lula respondeu a críticas sobre sua atuação após a nacionalização dos ativos da Petrobras no país vizinho. "Esses acordos respondem àqueles que queriam o distanciamento, o congelamento das relações. Esses acordos respondem àqueles que queriam o enfrentamento", afirmou o presidente.Segundo Lula, o Brasil tem obrigação de ajudar a Bolívia. "O Brasil tem que entender, como a Venezuela tem que entender, como a Argentina tem que entender, ou seja, os países mais ricos têm que entender que é preciso resolver os problemas das assimetrias regionais", disse, citando o caso da União Européia, que deu ajuda para que Espanha, Portugal e Grécia se aproximassem, do ponto de vista econômico, dos outros países do bloco. Quantos bilhões não estão sendo gastos agora com os países do leste europeu?", questionou.O presidente boliviano, Evo Morales, discursou em um tom mais ameno do que o que vinha apresentando desde a nacionalização, afirmando que nunca quis expulsar empresas privadas do país. Dirigindo-se ao presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, Morales disse: "Precisamos de você". Ele afirmou que a volta da estatal ao país vizinho vai desbloquear os investimentos privados suspensos desde a nacionalização. Mas afirmou que quer a Bolívia sócia em todos os empreendimentos.Morales ouviu conselhos de Lula a respeito da crise política boliviana: "Se eu pudesse te dar um conselho sem me intrometer na política boliviana, te diria: paciência, paciência, paciência, que o povo boliviano, em sua sabedoria, certamente saberá acertar as coisas", afirmou o presidente brasileiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.