Lula ressalta boa situação da economia

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a ressaltar a boa situação da economia brasileira. Segundo ele, a recente crise no mercado externo não causou problemas no Brasil. "Temos uma certa solidez. Não tanto ainda quanto precisamos, mas temos reservas e o Produto Interno Bruto (PIB), o emprego e o salário estão crescendo", afirmou. O presidente foi à Manaus, no Amazonas, ver o início das obras do gasoduto Urucu-Manaus, um empreendimento que, quando concluído, levará gás natural para a capital amazonense e municípios localizados ao longo dos seus 670 quilômetros de extensão. Ele disse que o País precisa mostrar ao mundo que é sério e que tem objetivos estratégicos de desenvolvimento. "Eu faço a minha parte e espero que cada partido faça a sua. E que a gente possa se apresentar ao mundo com essa solidez".Lula rebateu as críticas de que o governo gasta em excesso para garantir a reeleição, o que comprometeria as finanças públicas. "No Brasil é engraçado. Passamos três anos no governo fazendo superávit mais alto no começo e a manchete era a seguinte: o governo não gasta". Ele voltou a lembrar que o gastos aumentaram no começo do ano, porque a partir de 30 de junho ficará impedido pela Lei Eleitoral de fazer convênios com prefeituras e Estados. "Fizemos a opção de gastar mais fortemente no começo do ano para garantir nossos compromissos no segundo semestre. Isso é normal e sempre aconteceu". Ironia Lula ironizou o noticiário sobre os gastos do governo. "De vez em quando leio em dois jornais, duas manchetes diferentes. Uma que o governo gastou demais e a outra, de menos". Lula defendeu o repasse de recursos para aumento de salários de funcionários públicos e educação. "É preciso parar com essa mania de achar que quando a gente dá um pouco de salário a gente está gastando". O presidente também defendeu a política social do governo. "Eu tenho uma predestinação de fazer com que os pobres deste País deixem de ser mais pobres". "Tem gente que ache que garantir que as pessoas comem três vezes ao dia é gasto", acrescentou. Lula disse ter paciência para responder às críticas, mas que não pode ficar brigando com o conceito que as pessoas fazem em relação às ações do governo. "O que não fizermos agora vamos gastar mais depois nos PCCs da vida", declarou o presidente, referindo-se à facção criminosa do Primeiro Comando da Capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.