Lula reúne coordenação política pela 1º vez após início da crise

Presidente vem acompanhando a crise com 'apreensão', mas busca demonstrar que Brasil 'não será vítima'

Rosana de Cassia, de O Estado de S. Paulo,

01 Outubro 2008 | 09h09

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reunirá na manhã desta quarta-feira, 1º, no Palácio do Planalto, o grupo de coordenação política para avaliar a crise financeira internacional. Integram o grupo o vice-presidente, José Alencar e os ministros da Casa Civil, Dilma Rousseff; das Relações Institucionais, José Múcio; do Planejamento, Paulo Bernardo; da Fazenda, Guido Mantega, da Justiça, Tarso Genro e da Secretaria Geral, Luiz Dulci.   Veja também: Veja os principais pontos do pacote dos EUA  Entenda a crise nos EUA  Confira os argumentos pró e contra o plano de resgate  A cronologia da crise financeira   Desde o início da crise, Lula diz que acompanha a crise com "apreensão", mas busca demonstrar que o Brasil "não será vítima", como das  outras vezes. Na última terça, ele afirmou que sua expectativa é de que Congresso americano aprove o pacote de US$ 700 bilhões de ajuda ao setor financeiro. O Senado dos EUA votará o plano nesta noite, com mais chances de aprovação do que na Câmara, que rejeitou o pacote na última segunda.   "Torço para que o governo, o Congresso, os empresários e o povo americano encontrem logo uma saída e não permitam que a eleição atrapalhe as decisões para que a crise não aprofunde os problemas em outros países", declarou. "Ao mesmo tempo, quero o bem do povo americano. Ninguém merece uma crise. São mais de 340 mil famílias que perderam suas casas nos EUA", completou.   Lula também declarou que o governo brasileiro está consciente do que está acontecendo e da gravidade da crise. Ele relatou que vem conversando com Mantega, e com o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e que tem feito reuniões sistemáticas com a equipe econômica. "Nós estamos tranqüilos que vamos tocar o barco do jeito que a gente está tocando. Afinal de contas, o Brasil não vai jogar fora esta oportunidade", afirmou na última segunda.   No programa Café com o Presidente desta semana, Lula criticou o que chamou de falta de ética em Wall Street e acusou os bancos de transformarem o mercado financeiro em um cassino. E voltou a afirmar que o Brasil está preparado para a crise.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.