Lula sabe que é preciso virada nos juros, diz ministro

O ministro do Trabalho, Jaques Wagner, afirmou hoje que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, embora concorde momentaneamente com os juros altos, sabe que ?precisa vir a hora da virada?. Wagner, que está na comitiva que acompanha Lula em Genebra, afirmou que o compromisso do presidente não foi só o de organizar a economia, mas de fazê-la crescer. "O compromisso é de desenvolvimento e geração de emprego. Se não colocar a economia para crescer, nós vamos causar frustração. A organização da economia para o governo é ferramenta, não é objetivo.? Wagner voltou a fazer uso da comparação da economia do país a de um doente em estado grave. "Mas é preciso lembrar que, para saber quando esse paciente deve sair da UTI, é preciso a avaliação, além da junta médica, da junta política. É preciso haver um ponto de equilíbrio entre as avaliações dessas duas correntes. Tanto na questão política, como na questão técnica, o desgaste precisa ser monitorado". O ministro também ressaltou que se a junta médica quiser estender o tratamento, pode entrar em choque com a junta política. "Vocês sabem que medicina e economia não são ciências exatas." Outros participantes da viagem também relataram a preocupação do presidente Lula com os juros. "Demonstrou muita inquietação com a necessidade de se baixar os juros", relatou um dos integrantes da delegação brasileira que acompanha o presidente na viagem a Europa durante a viagem entre o Brasil e a Suíça, na noite de sexta-feira passada. Segundo outro participante, o deputado Paulo Rocha (PT-BA), a expectativa da bancada do PT é que a atual política econômica seja necessária nos seis primeiros meses do governo. "Se essa política econômica entrar no 2º semestre, pode gerar alguma inquietude", disse Rocha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.